Curiosidades

IPVC promove ceia de natal para colaboradores e alunos longe da família

Partilhe esta notícia!

Pela primeira vez o Instituto Politécnico de Viana do Castelo promove, a 24 de dezembro, um jantar de Natal para funcionários, alunos (nacionais, internacionais e Erasmus) que passem esta época longe da família e que optem por passar esta quadra festiva em Viana do Castelo. Após o período de inscrições foram mais de três dezenas os inscritos de seis nacionalidades.

O objetivo é, segundo o administrador dos serviços de ação social do IPVC, Luís Ceia, “proporcionar uma típica consoada portuguesa onde não faltará o bacalhau, batatas e couves assim como as sobremesas típicas desta época ” aos estudantes e funcionários que se encontram deslocados do seu país e familiares. O importante é celebrar o espírito de Natal”.

O ambiente será acolhedor não faltando uma lareira para o aquecer ainda mais ao ambiente naquela que por muitos é considerada a noite mais mágica do ano.

Para além de dar a conhecer a todos as tradições de uma típica consoada portuguesa, em particular a do Alto Minho, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo quer proporcionar e promover uma noite de convívio e de troca de vivências. O jantar não tem qualquer custo para os participantes sendo “uma prenda” para todos os que optarem por se reunir no IPVC na noite de consoada.

O IPVC oferece ainda a estadia gratuita na residência do centro académico nessa noite especialmente aos estudantes que se encontram a estudar nas Escolas situadas em Melgaço, Valença e Ponte de Lima.

Alunos estrangeiros no IPVC

Nesta altura, o Instituto Politécnico de Viana conta com a presença de 260 alunos com nacionalidade não Portuguesa estando representadas 31 nacionalidades diferentes: Guiné-Bissau, Cabo Verde, França, Moçambique, Espanha, Angola, Mônaco, Brasil, Lituânia, Roménia, Itália, Alemanha, Polónia, Itália, São Tomé e Príncipe, República Checa, Turquia, Luxemburgo, Índia, Timor Leste, Equador, Marrocos, Eslovénia, Arábia Saudita, Suíça, Egipto, Letónia, Ucrânia, Áustria, Bielorrússia, Uruguai, China e Venezuela

Comentários

topo