Opinião

Opinião. Sobre o talento na medicina – um novo olhar

“Não tenho nenhum talento especial. Apenas sou apaixonadamente curioso.”, Albert Einstein

Há, atualmente, uma tendência para se olhar para o talento como algo de inato, que nasce com o indivíduo. Uma espécie de “sorte” que acompanha algumas pessoas desde o nascimento e que lhes permite ter sucesso numa área profissional ou artística específica.

Havendo, naturalmente, um fator genético inerente ao indivíduo e que influencia as suas aptidões num determinado sector, importa discutir de que forma o ambiente educacional e profissional pode estimular o talento, especialmente numa área tão crucial como a saúde.

Sendo uma área de educação clássica, a medicina só há muito pouco tempo se abriu a métodos de aprendizagem mais disruptivos e que privilegiam um conhecimento, não só técnico, mas também de potenciação das capacidades de cada médico no sentido de criar equipas que se completem.

Para criar talento na medicina, na saúde, é preciso criar um ambiente em que ele possa crescer naturalmente. Um ambiente de criação em que se procuram as melhores soluções para o problema daquela pessoa, daquela população.

Mais do que a normalização de opiniões precisamos de pensamento estratégico a longo prazo que seja capaz de criar soluções novas em contexto dos poucos recursos que temos de gerir. São precisas, imprescindíveis mesmo, novas formas de pensar a medicina.

Para fazermos muito com pouco, não chega usar fórmulas esgotadas e repetidas até à exaustão. Teremos de dar espaço àqueles que, com o seu talento, pensam a medicina com um novo rosto.

É nesta disrupção do convencional que, seguramente, nascerá uma medicina mais humanista, mais próxima das pessoas. Em que a técnica e o rosto humano convivem e se completam.

Diz-se que a característica que distingue os grandes líderes é a de serem infinitamente curiosos. Que esta curiosidade, esta paixão, seja então pela humanidade. E que possamos, todos os dias crescer para podermos ser mais talentosos a cuidar de quem nos procura.

 

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo