Destaque

Opinião. Vila Verde – A Pandemia e o aproximar da abertura da época de incêndios florestais

Todos os anos os incêndios florestais são um dos maiores flagelos em Portugal provocando enormes prejuízos económicos e perdas ambientais e ecológicas incalculáveis.

Relativamente ao distrito de Braga, Vila Verde é um dos concelhos mais atingidos por esta catástrofe, havendo a contabilização de centenas de fogos florestais e fogachos (fogos de menor dimensão) nas últimas duas décadas que consumiram vários hectares de terreno.

Este ano, devido à pandemia mundial de COVID-19, vivem-se momentos conturbados em que o futuro é excecionalmente incerto e no que diz respeito à prevenção de fogos florestais a situação é semelhante. Apesar dos prazos para a limpeza os terrenos que rodeiam as propriedades terem sido alargados, a situação sanitária em que vivemos ainda envolve muitos cuidados impedindo muita gente de sair de casa, o que faz com que a grande maioria destas áreas ainda se encontrem por limpar.

Aliado à carência de limpeza e/ou abandono de vários terrenos assim como à proliferação de espécies invasoras (a maioria delas sensíveis a fogos) como o Eucalipto (Eucalyptus globulus), a Mimosa (Acacia dealbata) e a Háquea-espinhosa (Hakea sericea) temos também as condições climáticas instáveis que se têm verificado nos últimos meses, com picos de chuva intensa que alternam com dias quentes e secos, o que provoca um crescimento rápido da vegetação. Não só os montes e campos estão por limpar/aparar como também a flora se encontra numa expansão territorial recorde, podendo estar assim a criar-se um “cocktail explosivo”.

Eu próprio testemunhei esta problemática, pois tenho percorrido o concelho por motivos académicos, e observo cada vez mais um alastramento inquietante da vegetação em zonas de monte, campos agrícolas e arredores, próximo de habitações e até nas bermas das estradas.

É, assim, preciso uma rápida ação conjunta da Câmara Municipal, das Juntas de Freguesia e todos os cidadãos do concelho para conseguir precaver aquela que poderá ser uma das piores crises ambientais e humanas da História de Vila Verde. Se nada for feito, estarão criadas condições para a possível existência de fogos florestais de grandes dimensões e de veloz propagação que poderá ameaçar vidas humanas, povoações inteiras e provocar danos irreparáveis no património ambiental, ecológico e cultural concelhio assim como colossais perdas económicas principalmente para os setores da agricultura, pecuária, apicultura e fruticultura.

Pelas nossas famílias, pela nossa Terra, pelo Ambiente, temos de agir bem e depressa!

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo