Curiosidades

País. Mais de 46 mil empresas pediram prorrogação do layoff

“Nesta fase de transição, o apoio ao emprego vai ser mesmo um apoio ao emprego. Obviamente que tem de ter também uma outra atenção ao nível dos rendimentos dos trabalhadores”, afirmou o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, numa audição hoje de manhã na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação sobre as consequências económicas da pandemia de covid-19.

Afirmando que “durante este período crítico do ‘layoff’” foram seguidas “as regras do Código do Trabalho” (recebendo os trabalhadores dois terços do salário ilíquido), o governante considerou que, “nos próximos meses, o nível de retribuição atribuído aos trabalhadores não pode assentar num corte tão significativo dos seus rendimentos”.

“O sucessor do ‘layoff’ não pode assentar nos cortes no rendimento dos trabalhadores que tem neste momento, temos de evoluir. Vamos continuar a apoiar as empresas, mas não com o nível de corte dos salários que tem vindo a haver”, sustentou Pedro Siza Vieira. Os números avançados hoje no parlamento pelo ministro da Economia referem que os apoios no contexto do ‘layoff’ simplificado “chegaram inicialmente a cerca de 100 mil entidades empregadoras e 780 mil empregados, com um total de 321 milhões de euros de pagamentos”. Já as prorrogações de ‘layoff’, entretanto, diferidas ascendem a 46.448, abrangendo 353 mil trabalhadores e um valor pago de 130 milhões de euros, num “esforço” que o governante considera que “ajudou efetivamente a proteger o emprego”.

 

(c) Dinheirovivo

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo