Vila Verde

Vila Verde. José Morais acusa Júlia Fernandes de tratamento privilegiado à Aliança Artesanal

José Morais, vereador do Partido Socialista na Câmara Municipal de Vila Verde criticou esta quinta-feira a proposta de atribuição de um subsídio extraordinário de 20 mil euros à Aliança Artesanal, “presidida pela vereadora que faz a proposta deste subsídio”, Júlia Fernandes.

Em comunicado enviado à redação do Semanário V, o vereador diz que “na reunião de hoje [ontem] da Câmara de Vila Verde” Júlia Fernandes “quis introduzir à última hora, sem estar na ordem de trabalhos, uma proposta de atribuição de um subsídio extraordinário de 20 mil euros à Aliança Artesanal.”

Indica José Morais que “a Aliança Artesanal é uma entidade particular presidida pela vereadora que faz a proposta deste subsídio! E mais! No processo não existe nenhum pedido de subsídio da Aliança Artesanal, nem a respetiva fundamentação. Apenas constava uma informação elaborada pelo chefe de divisão que é tutelado diretamente pela vereadora.”

Abuso de poder e sonegação de informação à oposição

O vereador acusa ainda a autarquia vila-verdense de lhe ter vedado acesso à informação da proposta. “Para cúmulo, fui posteriormente à Câmara e não me foi permitido, enquanto vereador, consultar o processo. Este é um processo típico de benefício em causa própria, abuso de poder e sonegação de informação à oposição.”

Ainda durante a reunião do executivo, António Vilela, edil, retirou a proposta do subsídio. Diz Morais que “ainda bem que o senhor presidente de Câmara decidiu retirar o assunto da discussão, até porque a senhora vereadora se revelou totalmente impreparada e não conseguiu fundamentar a atribuição do subsídio.”

José Morais alerta que não é só a Aliança Artesanal a passar dificuldades devido à situação pandémica

“Se a pandemia criou constrangimentos à Aliança Artesanal também os criou às outras instituições concelhias. As outras instituições desportivas, recreativas, culturais e sociais do concelho merecem a mesma consideração que a Aliança Artesanal”, exclama o vereador, negando o “tratamento privilegiado à Aliança Artesanal só porque” Júlia Fernandes “é presidente desta cooperativa. Não aceito que uns sejam tratados como filhos e outros como enteados.”

 

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo