Vila Verde

Aliança Artesanal. Paulo Marques acusa António Vilela de “coragem e muita lata”

O líder do CDS-PP Vila Verde reagiu ao comunicado do presidente da Câmara de Vila Verde, António Vilela, emitido ontem nas redes sociais do município, a propósito da proposta de atribuição de um subsídio à Aliança Artesanal, feita em reunião de câmara pela vereadora social-democrata Júlia Fernandes.

Numa publicação na rede social Facebook, Paulo Marques pede a António Vilela “que aproveite essa vontade e esclareça os vila-verdenses (denunciando tudo o que for calúnia e mentira sobre a sua pessoa) sobre a sua posição” e enumera vários casos que quer ver esclarecidos, nomeadamente o caso da Escola Profissional Amar Terra Verde, do qual “vai a julgamento por corrupção, prevaricação e participação económica em negócio, por se terem apropriado de 1.000.000,00€ dos vila-verdenses, sim, esses mesmos da sua luta”, a Operação Éter, “onde é novamente arguido e vai a julgamento”, a PROVIVER, que “entre outros actos de gestão duvidosos fez o “milagre” de fazer um empréstimo de 2.000.000,00€ após fechar, ficando a dita dívida para os vila-verdenses.” O líder centrista recorda ainda o caso da IEMINHO, pela “incompetência e gestão absolutamente danosa do bem público, que irá custar aos vila-verdenses, os da sua luta, mais de 1.000.00,00€ por 7000m2 de terreno”.

Paulo Marques remata, dirigindo-se a Vilela e afirmando que “é preciso coragem e muita lata para dizer que a ‘nossa luta é pelos vila-verdenses’, isso, com um sorriso na cara, quando deveria estar de cabisbaixo de vergonha. É o que dá as maiorias absolutas.”

 

 

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo