Braga

À Conversa com… Sara Carvalho, Designer Têxtil e Artista

“Sinto que estou quase lá”

A Sara é uma das mais meigas pessoas que conheço. Decidi conversar com ela para que a conheças e fiques como eu sua seguidora. A Sara nunca me apareceu desalinhada, a sua forma de falar, vestir, os gestos são de uma graciosidade e subtileza que encantam. É bonita, em tudo.

Andreia Santos: Bom dia Sara, estou totalmente rendida ao teu trabalho artístico. Obrigada por aceitares conversar comigo. Como é que se chega até aqui com tanta criatividade e elegância? Poderias falar me um bocadinho do teu percurso?

Sara Carvalho: Antes de mais, muito obrigada pelas palavras amáveis e carinhosas. É um privilégio poder conversar contigo. O meu percurso traduz-se em pequenas conquistas.

A primeira vez que me lembro de me expressar pela arte de uma forma entusiástica foi nos primeiros dias escola primária. O professor atribui a cada aluno a tarefa de fazer um desenho livre utilizando os materiais a nossa escolha e eu, empolgada em experimentar os meus materiais escolares pela primeira vez, comecei a misturar tudo. Posso dizer que não correu como eu esperava, acabei até por ter sido usada como um mau exemplo a seguir perante toda a turma, mas olhando agora para trás acho que era o meu bichinho pelas artes a querer expressar-se.

Mais tarde, a partir do ensino básico, comecei a frequentar oficinas de artes e um clube de história da arte, onde aprendi a trabalhar com a tinta a óleo e a reproduzir obras de arte. Esse foi o verdadeiro ponto de partida para a Sara enquanto pintora. Comecei a apaixonar-me pelo detalhe, a mistura de cores, e pela história. E tive o melhor professor, que foi um verdadeiro mestre tanto a ensinar a arte da pintura a óleo, como a expressar a sua paixão pela história. Recordo, com saudade, as tardes que passamos a pintar e a ouvir o Professor João a contar factos sobre as pinturas e as épocas em que estávamos a trabalhar. Foi uma fase apaixonante!

Mais tarde, sem emprego e com vontade de trabalhar, pensei em utilizar o conceito do Professor João e criar um clube de pintura. Posso dizer que foi o meu primeiro grande desafio, porque estava a sair da minha zona de conforto, passei de aluna a professora.

Durante muito tempo limitei-me a reproduzir pinturas de artistas que admirava, porque achava que não era suficientemente criativa para criar algo meu, e que fosse apreciado como uma verdadeira obra de arte. Agora posso dizer que perdi o medo! Tentei uma primeira vez e fiquei feliz com o resultado, orgulhosa de mim mesma e voltei a tentar, sem medo. Hoje posso dizer que ainda procuro a minha identidade como pintora, mas sinto que estou quase lá.

A.S.: Que bom que a coragem chegou. O que te serve de inspiração?

S.C.: Primeiro de tudo penso que a minha principal inspiração é a minha casa, o meio rural envolvente, a calma que me transmite, e ter o meu próprio espaço para dar asas à criatividade. Depois, se formos falar em inspiração artística, posso dizer que sou apaixonada pelo detalhe, pela história e por antiguidades. Acompanho  e admiro o trabalho de alguns artistas dos nossos tempos e tenho um enorme fascinio por épocas passadas e os seus artistas. O Renascimento, o neoclassicismo e o impressionismo são as minhas épocas favoritas da História da Arte, e são as correntes artisticas que mais influenciaram a minha identidade enquanto pintora.Por isso, gosto de combinar o detalhe com pinceladas expressivas, e para dar aquele toque especial, ter sempre alguns pormenores que se destaquem.

A.S.: Concordas com a ideia de que os artistas são pessoas diferentes das outras? Em que aspetos?

S.C.: Não concordo nem discordo com essa forma de olhar para nós artistas. Apenas acho que sentimos as coisas com intensidade e temos uma forma mais emotiva de nos expressarmos e de olhar o mundo em redor. Somos atentos, damos muita importância a pequenas coisas e encontramos interesse em coisas que passam despercebidas.

A.S.: Como é a Sara? 

S.C.: Tenho sempre imensa dificuldade em falar sobre mim, mas se tivesse que me traduzir em palavras diria que a Sara é sentimento e emoção.

A.S.: És talentosa e multifacetada. A que gostarias de dedicar mais o teu tempo?

S.C.: A encontrar o meu estilo, experimentar novas técnicas, e a ensinar.
Uma das épocas que mais me marcou foi quando dava aulas de pintura a miúdos e graúdos. Hoje é muito recompensador saber que inspirei os mais pequenos a encontrarem a sua vocação para as artes, e ajudei os mais crescidos a encontrar um escape para se expressarem e fugirem, por momentos, a azáfama do dia a dia.

A.S: Pode ser que um convite surja para voltares a dar aulas. Consideras te empreendedora?

S.C.: O empreendedorismo é audácia e dinamismo! É pegar nas nossas ideias, nos nossos sonhos, e ter a coragem de as explorar e fazer delas um negócio de sucesso. Como a propria definição indica, é preciso ser audaz, e esse é o motivo pelo qual não me considero uma pessoa empreendedora, por insegurança de dar um grande passo. Mas gostava de ter algo meu. Criar um espaço onde poderia englobar a arte e o ensino, onde eu pudesse pintar, e também dinamizar alguns workshops e aulas de pintura e desenho. Um espaço de exposição e formação, para todos aqueles que queiram aprender e apreciar a arte.Quem sabe um dia… (Risos)

A.S: Acredito que isso é tudo possível. O que dirias a quem quer fazer mais o que gosta?

S.C: Não tenham medo de dar o primeiro passo, mesmo que seja um passo pequenino. O caminho pode ser longo, e acima de tudo, tem de ser um caminho feito ao nosso ritmo, por mais que nos motivam e nos pressionem para avançarmos a passos largos.

A.S: Essas já foram as palavras de ti para ti… (Risos). O que é mais importante para ti na vida?

S.C.: Eu posso dizer que não preciso de muito para ser feliz, e que o mais importante para mim são as minhas pessoas. São todas diferentes, e todas especiais, e cada uma delas faz de mim o que sou hoje e o que quero ser no futuro. Se puder tê-las sempre comigo nesta jornada que é a vida, isso é o mais importante.

A.S.: Como tem sido esta fase de maior contenção física e até social?

S.C.: Tem sido quase como um retiro, uma re-avaliação daquilo que quero que seja o meu percurso no futuro. Claro que sinto falta da “normalidade”, mas não quero voltar ao mesmo ponto em que estava antes, quero um pouco mais desta “anormalidade”.

A.S.: Há que retirar vantagens deste período.. Estamos a meio de 2020, terias um nome para dar a este ano? Porquê?

S.C.: Não quero ser cruel com este ano. Até porque, posso dizer que tem tido o seu lado positivo. Ele obrigou-me a parar, a pensar, e a acalmar. Até ter entrado em confinamento, estava com um ritmo de vida muito acelerado, estava a exigir muito de mim e da vida. Já nã pintava há um ano, apesar de ter uma tela em branco à meses em espera para ser colorida. Neste momento tenho duas pinturas finalizadas, uma em curso, e outra em branco que não vai demorar muito a ganhar cor. Por isso, se tivesse que dar um nome a este ano seria Audaz.

A.S.: Quando podemos visitar uma exposição tua? (Risos)

S.C.: Já não demora muito a terem notícias nesse sentido. Ainda estou em processo criativo neste momento, mas sei que estou no caminho certo. Quero dar-vos a conhecer uma coleção que para mim é um impulso e que tem um significado especial.

A.S.: Que bom de ouvir-te dizer isso. Se alguém quiser encomendar um trabalho teu, como o pode fazer?

S.C.: Podem encontrar-me na rede social Instagram na página @saracarvalho_art onde poderão falar comigo, ver as minhas obras e acompanhar o meu processo criativo. E podem também falar comigo através do e-mail saracarvalho.art@gmail.com.

A.S.: Desejo te a maior das recompensas Sara, estarei de certeza na linha da frente a admirar as tuas obras, sou fã do teu trabalho e tua, da tua generosidade e graciosidade. Obrigada por este bocadinho. Espero encontrar-te muito em breve numa galeria perto de nós. Parabéns e muitas felicidades.

S.C.: Querida Andreia, foi um prazer enorme. Fez-me voltar atrás e recordar momentos e fases tão boas da minha vida. E também me trouxe certezas, de que é isto que gosto de fazer, e qual o caminho a seguir. Agradeço-te todo o apoio e carinho.

 

 

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo