País

Rio reitera pedido de investigação do Ministério Público ao Novo Banco

(c) Direitos reservados

O jornal Público noticiou hoje que um fundo das ilhas Caimão comprou casas do Novo Banco com o crédito desta instituição financeira, num negócio que foi um dos maiores do ramo imobiliário dos últimos anos e em que o Fundo de Resolução cobriu as perdas. Nesta investigação, refere-se mesmo que o Novo Banco vendeu e emprestou o dinheiro a quem comprou.

“Excelente trabalho jornalístico. Tenho vindo a questionar insistentemente os negócios deste Banco Bom, e sempre disse que o Governo nunca devia ter pago sem aferir a seriedade das faturas. Parece que isto pode ser ainda pior do que se imagina. Tem a palavra o Ministério Público”, escreveu Rio, na sua conta oficial na rede social Twitter.

Na sexta-feira, no debate do estado da nação, o presidente social-democrata sugeriu uma investigação do Ministério Público a esta instituição.

Nessa ocasião, Rio voltou a criticar que o Governo entregue “milhões de euros” dos impostos dos portugueses ao Novo Banco e reiterou suspeitas, lançadas num debate quinzenal, sobre as perdas registadas na venda de imóveis, em momento de alta do mercado imobiliário.

“No Novo Banco não se entende como o Governo entrega recorrentemente milhões de euros dos nossos impostos, sem cuidar de analisar ao pormenor a justeza desses pagamentos e a razoabilidade das perdas invocadas. Perdas que o banco apurou na venda de imóveis, precisamente em tempo de forte alta do mercado imobiliário. O Novo Banco deve ter sido o único proprietário em Portugal que, nos anos imediatamente anteriores à pandemia, vendeu imóveis a perder dinheiro”, disse.

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo