Saúde

Subdiretor-geral da Saúde confirma surtos de covid-19 em atividades religiosas

(c) Direitos reservados

O subdiretor-geral da Saúde, Rui Portugal, confirmou hoje haver surtos de covid-19 que aconteceram em atividades de caráter religioso, nomeadamente na região de Lisboa e Vale do Tejo, mas sem precisar números.

O diário Correio da Manhã noticiou que seis de 12 padres que participaram num encontro da organização católica Opus Dei, em Vila Nova de Gaia, testaram positivo a infeção com o coronavírus que provoca a doença covid-19 e que o número pode aumentar nos próximos dias, já que ainda falta conhecer o resultado de alguns testes.

Questionado na regular conferência de imprensa de atualização da informação sobre a covid-19 sobre se há surtos em outros locais do país com origem em encontros religiosos, Rui Portugal disse não conseguir “precisar o número exato de surtos”, mas afirmou que existem “a nível nacional, em particular na região de saúde de Lisboa e Vale do Tejo”.

“Lembro-me que, de facto, existem duas ou três situações na região de Lisboa e Vale do Tejo” ligadas a confissões religiosas de caráter protestante, disse o subdiretor-geral da Saúde.

Rui Portugal aproveitou para lembrar que “tudo o que seja aglomerações de pessoas em qualquer tipo de eventos, nomeadamente de caráter religioso, particularmente em meios fechados, são zonas de risco e devem ser cumpridas todas as orientações não só da DGS”, mas também as orientações globais e locais.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 754 mil mortos e infetou quase 21 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.772 pessoas das 53.783 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo