Vila Verde

Sara Gomes, bailarina Vilaverdense encanta no mundo da dança em Lisboa

(c) Direitos reservados

Quem é a Sara Gomes

Comecçou o ballet aos 12 anos, depois de ter assistido a uma pequena peça coreográfica na escola. Passou semanas a pedir à mãe para se juntar às aulas de dança até que num sábado, assistiu a uma aula da professora Diana Sá Carneiro e percebu que era o que eu queria fazer.
“Após algumas aulas dedicadas, a professora propôs a frequentar as aulas em Braga, de uma forma mais assídua e regular, e assim começou a minha vida entre maillots e tutus, do qual não sei quem seria”, relata Sara Gomes ao V.

Primeira competição na primeira pessoa

Conta Sara Gomes que: “A minha primeira competição foi as semifinais do YAGP em Paris, 2017, e desde então tenho participado em diversos festivais, tal como Tanzolimp, European Ballet Grand Prix, Concurso Internacional de Bailado do Porto, Algarve Dance Open entre outros. O meu primeiro papel de relevo foi Clara, numa versão adaptada do bailado Quebra Nozes, coreografada pela professora Patrícia Fiorucci. Atrevo-me até a dizer que foi das experiências da qual mais me orgulho e com a qual aprendi imenso sobre o que realmente é ser bailarina e toda a euforia na montagem de um espetáculo. Das várias competições em que participei cheguei a alcançar resultados bastante satisfatórios, como é exemplo, o top 12 contemporary solo senior (semifinais YAGP, Itália, 2019), segundo
lugar solista contemporânea (CIB 2019), entre outros lugares que alcancei em dueto e em grupo. Para além dos pódios que tive o privilégio de partilhar com outros excelentes bailarinos, também recebi algumas bolsas de curto termo para escolas como Ecole de Danse de l’Opera de Paris (2017), English Ballet School (2018), Forum in Danza (2018-2019) e Cubaballet (2020). Acho também de relevância mencionar uma das minhas melhores experiências enquanto estudante de ballet e contemporâneo, o momento em que tive o privilégio de subir a um dos mais belos palcos da Europa, em Brno, República Checa, no qual realmente entendi a emoção de ter uma vasta plateia a aplaudir o longo trabalho de 3 anos de dança. Apesar da minha muito pequena bagagem e pouca experiência enquanto bailarino, espero ter muitas mais destas oportunidades e continuarei a trabalhar.

Sara Gomes voa em Lisboa

Ao V Sara Gomes conta que “Comecei este projeto, ligado à companhia nacional de bailado, a semana passada e, apesar de todas as pedidas de precaução devido à pandemia, tem sido uma experiência incrível com a qual estou a aprender e crescer imenso como bailarina… é claro que é complicado manter o distanciamento social entre os nossos colegas, mas sabemos o quão importante é respeitar todos as medidas de prevenção para que atenuemos a situação… mal posso esperar pelas três semanas que me esperam e atuar com os meus 11 colegas no teatro Camões, no dia 12 e 13 de setembro”.

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo