País

GNR interrompe casamento cigano ilegal com 300 convidados em Moura

(c) Direitos reservados

Uma festa de casamento de cidadãos de etnia cigana no concelho de Moura, Beja, com cerca de 300 pessoas foi interrompida pela GNR na passada sexta-feira, às 14h00, depois de uma denúncia anónima, avança o Observador.

A GNR, que garante não ter tido conhecimento prévio do casamento, confirmou a presença de cerca de 300 pessoas num terreno de Póvoa de São Miguel, concelho de Moura, “sem que estivessem a ser cumpridas as medidas preventivas de contágio por Covid-19, designadamente o distanciamento social e a utilização de máscaras”. Os militares avançaram então para “a dispersão das pessoas, o que foi logrado, sem que tivesse ocorrido qualquer incidente”. “Os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial de Moura”, acrescenta fonte oficial da GNR.

O Jornal de Notícias revela que a cerimónia foi realizada num terreno cedido pela Junta de Freguesia de Póvoa de São Miguel (JFPSM), localizado na pista de motocrosse da aldeia. De acordo com o mesmo jornal, tal cedência terá sido feita com a garantia de que existira um parecer da Autoridade de Saúde Pública e de que a mesma cumpriria as regras de segurança decretadas pelo Governo no combate à pandemia de covid-19: máximo de 20 pessoas, desinfeção das mãos com álcool-gel, uso de máscaras e cumprimento do distanciamento social. Nas redes sociais, o presidente da Câmara Municipal de Moura, Álvaro Azedo, escreveu que na tarde de sexta-feira pediu à GNR “intervenção para que o ajuntamento fosse terminado com a maior celeridade possível” porque terá ocorrido uma denúncia anónima e acrescenta que o município já se tinha manifestado “contra a realização de tal festa”, avança a mesma fonte, O Observador.

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo