Educação

Covid-19. Uma escola só encerrará em “situações muito extraordinárias”, alerta DGS

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Uma escola só encerrará em “situações muito extraordinárias” como no caso de existirem muitos casos de covid-19 dentro do estabelecimento e “uma propagação comunitária intensa”, disse hoje a diretora-geral da Saúde, sublinhando que será uma decisão cirúrgica. “O impacto de fechar uma escola é tão grande que tem que haver critérios, uniformização, ponderação, ver se todos os aspetos foram estudados e estão a ser bem aplicados, porque é uma decisão de uma grande responsabilidade e vamos tentar ser cirúrgicos no nosso procedimento”, disse Graça Freitas na conferência de imprensa regular sobre covid-19.

A diretora-geral da Saúde explicou que quando for possível, será limitada uma turma, uma zona ou uma ala da escola, e “só em situações muito extraordinárias, com grande circulação dos casos de infetados dentro da escola e com uma propagação comunitária intensa é que é de ponderar o encerramento de uma escola”. Graça Freitas reconheceu que o risco de contágio nas escolas é “uma grande preocupação” para os pais, professores e alunos, mas também para a saúde. Mas, pelo menos, por agora, “a intenção é que encerrar na totalidade uma escola seja uma exceção”, reiterou, adiantando que há mecanismos que vão ser adotados e estão previstos no referencial para que uma escola possa ser encerrada. Defendeu ainda que agora é preciso restringir mesmo a socialização. “Temos que esforçar-nos por ter menos contacto com outras pessoas porque quanto menos contactos, menos contágio, e estamos a entrar numa fase em que os casos estão a subir”.

“Um caso numa escola, dois, três ou quatro mais ou menos isolados não tem o mesmo significado de que um dois ou três ou quatro casos que comuniquem muito com outras pessoas que passem de sala para sala, que partilhem refeições”, explicou. Por outro lado, o exterior da escola também condiciona a decisão. Por estas razões, a avaliação do risco será sempre feita pela autoridade de saúde da respetiva escola, explicou. Questionada sobre se haverá uma fiscalização nos arredores das escolas para evitar ajuntamentos e evitar focos de infeção, a ministra da Saúde afirmou que todas as pessoas são “agentes de saúde pública” e este “é um momento” de responsabilidade individual e coletiva. “Compreendo as preocupações que todos possam ter com aquilo que possam ser comportamentos menos adequados ao respeito pelas regras, mas também sei que podemos contar com a sociedade civil para alertar designadamente os mais novos, a comunidade escolar, os encarregados de educação quando as regras não forem respeitadas”, disse Marta Temido. Depois, vincou, há mecanismos como a Escola Segura e a intervenção das forças de segurança que permitem também ajudar a controlar essas situações. “Estou em crer que estamos num período de adaptação do funcionamento regular das escolas, e temos um quadro normativo que permite dar enquadramento aos riscos eventuais”, afirmou Marta Temido.

Portugal contabiliza pelo menos 1.855 mortos associados à covid-19 em 62.813 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Comentários

topo