Braga

Agere monta armadilhas na rua em Braga para “caçar” colónia de gatos esterilizados

(c) Todos os Direitos Reservados

Escreve a Associação Saquetas de Rua que “pela segunda vez e numa total falta de respeito pelo trabalho que a nossa associação desenvolve na cidade, a Agere foi montar armadilhas na Rua Irmãos Roby, onde existe uma colónia de gatos esterilizados pela nossa associação. A Agere sabe que os gatos foram esterilizados por nós, a câmara sabe e a colónia está sinalizada, para quem não souber, com uma placa no meio da rua que identifica colónia.
Ainda assim, porque há um morador que não gosta da presença dos gatos, a Agere prontamente se desloca ao local, cada vez que o senhor envia um e-mail, para tentar capturar os gatos e com o intuito de enfiá-los nos arcaboiços do CRO”.

AGERE muito contestada entre os voluntários

“Experimentem pedir à Agere para ir esterilizar gatos de rua na vossa zona. Experimentem! E vão levar com um “nós não apanhamos gatos para esterilizar e voltar a soltar”. Mas se o engenheiro X ou o arquiteto Y fizer uma queixa porque os gatos,na rua, ocupam o seu campo visual, aí sim, é vê-los queimar gasóleo com o dinheiro dos nossos impostos. Lamentável”.

Nenhum gato foi capturado graças ao apoio de voluntários/as

Graças ao trabalho de um grupo de pessoas que têm a colónia localizada nesta rua. “O muito obrigada às nossas magníficas voluntárias que têm a colónia e os gatos sempre debaixo de olho e bem protegidos. Nenhum gato foi capturado”.

Associação é clara na sua posição

“Apesar da lei ser clara e dizer que os municípios têm obrigação de pôr em prática programas CED (capturar-esterilizar-devolver) para controlar as populações de gatos errantes, a Agere coloca armadilhas para apanhar os gatos de rua e, em vez de esterilizá-los e voltar a soltar no mesmo local, fecha-os numa jaula no CRO, com o argumento de que ficam para adoção. Contudo, um gato que cresceu na rua, desenvolveu um comportamento silvestre e não é domesticável, logo, não é adotável.
A Associação Saquetas de Rua continuará a lutar para que o poder local, que delegou na Agere o dever de atuar junto dos animais errantes, cumpra a lei e coloque em prática o CED para os gatos errantes e não prenda estes animais as eternum em jaulas minúsculas”.

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo