Vila Verde

José Morais (PS) quer que governo autorize “take-away” durante os fins de semana

José Morais vereador do Partido Socialista de Vila Verde veio a público mostrar a sua indignação com a ordem de encerramento dos restaurantes após as 13h00 mesmo o serviço take-away.

Escreve em comunicado José Morais

“Discordo da decisão de se impedir que o serviço de “take-away” dos restaurantes possa funcionar em pleno durante os próximos fins de semana. É difícil entender a razão pela qual não podemos ir buscar uma refeição ao restaurante, mas se for aos hipermercados, que também têm “take-away”, já podemos.
Se existe uma boa razão para isto ser assim, não foi devidamente apresentada.
Ora, ir a um restaurante comprar um frango no churrasco para comer em casa não traz maior risco para a saúde pública do que ir comprá-lo a um hipermercado. O argumento de que os restaurantes estão autorizados a levar-nos a refeição a casa não colhe. A esmagadora maioria dos estabelecimentos não está preparada para fazer entregas ao domicílio. E é óbvio que nenhum deles vai montar um serviço de entregas, desde logo porque o seu volume de negócio não justifica fazê-lo”.

Mesmo sendo do governo PS vai contra a decisão do governo

José Morais revela que mesmo sendo do partido do governo neste assunto não copncorda com a decisão. “Todos nós devemos ter consciência que governar no atual contexto é muito difícil.
Globalmente as autoridades têm gerido bem a pandemia, mas há medidas deste último pacote apresentado com as quais eu não concordo. Entendo que o governo, que é do meu partido, deveria repensar a decisão de encerrar os “take-away” dos restaurantes, para que a restauração tenha algum “oxigénio” suplementar e para melhor servir os cidadãos. E, não menos importante, não pode ficar um sentimento de injustiça relativa no tratamento dado ao pequeno comércio face às grandes superfícies. Para que as medidas tenham adesão efetiva dos cidadãos, e assim possam ajudar a modelar os comportamentos individuais e coletivos, elas têm de ser justas, coerentes e equilibradas e percebidas por todos”.

 

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo