Braga

“Sozinho no INL de Braga ” traz mensagem de união e de esperança este natal

(c) INL
Partilhe esta notícia!

O INL – Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia, organização intergovernamental de investigação científica com sede em Braga, respondeu ao desafio de conseguir juntar este ano a comunidade de 400 pessoas de 40 nacionalidades nesta Quadra, habitualmente marcada pela festa de natal, e que não se pôde realizar por causa da pandemia. A forma encontrada para o fazer foi através de um filme de Natal que lembra como 2020 nos obrigou a trabalhar de outra forma e deixa a certeza de que, apesar de separados fisicamente, estivemos sempre juntos. A equipa de Comunicação do INL inspirou-se no filme “Sozinho em Casa” um clássico de natal que estreou há 30 anos para mostrar como a vida do INL mudou da noite para o dia.

E assim nasceu o “INL Alone” (Sozinho no INL).

Um investigador que trabalha freneticamente para cumprir o prazo de um projeto cede ao cansaço e acaba por adormecer, exausto, à frente do teclado. Quando acorda percebe que algo de errado se passa e percorre todo o laboratório à procura dos colegas, em vão. Descobre que todos se foram embora e fica a pensar que se esqueceram dele. Para tentar animar-se, monta a árvore de natal e vê o vídeo do ano passado, em os colegas do INL desejavam Boas Festas nas línguas dos países de origem, quando uma estranha luz o chama e ele volta a percorrer os corredores até à cobertura do edifício. No final, descobre que nunca esteve sozinho…

Para o Diretor-Geral do INL, Lars Montelius, “este vídeo lembra como um ano difícil, que tinha tudo para não correr bem, acabou por se tornar num ano em que a produção científica foi uma das melhores de sempre e em que, apesar de trabalharmos a partir de casa a maior parte do tempo, conseguimos manter a união necessária à continuação de mais de uma centena de projetos, a que juntámos uma mão-cheia de outros especificamente relacionados com o combate à COVID-19. Esta foi a forma que o INL encontrou de desejar as Boas Festas e de mostrar como a ciência é determinante para termos um 2021 com mais esperança”.

 

Comentários

topo