Saúde

Covid-19. Quatro cientistas portugueses esclarecem dúvidas sobre vacinas em vídeos

(C) LUSA

O Instituto de Medicina Molecular (IMM), em Lisboa, lançou uma campanha informativa sobre as vacinas contra a covid-19, em que quatro cientistas esclarecem dúvidas em pequenos vídeos, anunciou hoje a instituição.

“Como foi possível desenvolver uma vacina para a covid-19 tão depressa?”, “A vacina para a covid-19 é segura?”, “A vacina para a covid-19 permitirá devolver a normalidade às nossas vidas?” e “Devo vacinar-me para a covid-19?” são as perguntas às quais os investigadores do IMM Bruno Silva-Santos, Luís Graça, Miguel Prudêncio e Pedro Simas respondem.

Os quatro vídeos – um por cada questão – estarão disponíveis nas redes sociais do IMM.

Na sexta-feira haverá uma sessão aberta de perguntas e respostas transmitida na plataforma YouTube, onde os interessados “poderão colocar em direto as suas questões e esclarecer dúvidas sobre o processo de desenvolvimento de vacinas, a sua segurança e eficácia e a perspetiva da pandemia para os próximos meses”, refere o IMM em comunicado.

O gabinete de comunicação do IMM indicou à Lusa que serão produzidos mais vídeos explicativos à medida que forem surgindo mais dúvidas sobre as vacinas por parte das pessoas.

Justificando a iniciativa, o imunologista Bruno Silva-Santos, vice-diretor do IMM, salienta, citado no comunicado, que “este projeto surge da necessidade urgente de disponibilizar informação credível sobre a vacinação para a covid-19, que agora se inicia”.

“Todos os dias ouvimos dúvidas e inquietações de tantos cidadãos e cabe-nos a nós, cientistas, responder com os factos e os dados clínicos de que dispomos”, sublinha, por sua vez, o virologista Pedro Simas.

No vídeo “Como foi possível desenvolver uma vacina para a covid-19 tão depressa?”, o imunologista Bruno Silva-Santos responde com o avanço tecnológico, o empenho de cientistas e farmacêuticas e a avaliação imediata de resultados pelos reguladores dos medicamentos.

À pergunta se a vacina é segura, o parasitologista Miguel Prudêncio responde que é “absolutamente segura”, não tem efeitos secundários graves, apenas desencadeia reações normais como febre, fadiga ou dor no braço.

O virologista Pedro Simas assegura que a vacina para a covid-19 “permitirá devolver a normalidade” à vida, uma vez que possibilitará alcançar a imunidade de grupo contra o novo coronavírus causador da infeção.

Para o imunologista Luís Graça, “sem dúvida” que as pessoas devem vacinar-se, é “um imperativo de saúde pública” que “vai salvar muitas vidas”.

Em Portugal, a campanha de vacinação contra a covid-19 iniciou-se em 27 de dezembro nos hospitais, com a inoculação de profissionais de saúde. Hoje estendeu-se aos lares de idosos.

A vacina administrada é a do consórcio Pfizer-BioNTech, cujo uso de emergência foi aprovado em 21 de dezembro pela Agência Europeia do Medicamento.

Aguarda-se para breve que o regulador europeu se pronuncie sobre o uso de uma outra vacina experimental, a da empresa de biotecnologia Moderna.

Ambas as vacinas baseiam-se na mesma tecnologia de engenharia genética, que foi utilizada pela primeira vez na produção de vacinas.

A pandemia da covid-19 provocou pelo menos 1.843.631 mortos resultantes de mais de 85 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.

Em Portugal, morreram 7.186 pessoas dos 431.623 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A covid-19 é uma doença respiratória causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Partilhe esta notícia!

Comentários

topo