Barcelos

Misericórdia de Barcelos acolheu cinco pessoas abandonadas em hospitais do SNS

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Cinco utentes do Serviço Nacional de Saúde acolhidos pela Santa Casa da Misericórdia de Barcelos. Trata-se de pessoas sem enquadramento familiar, que aguardavam, em ambiente hospitalar, que surgisse vaga em estruturas residenciais para pessoas idosas (ERPI). Perante as suas possibilidades, a Santa Casa de Barcelos recebeu-as, com a esperança de que, com isso, as camas libertadas no Hospital de Santo António e no Hospital de Braga ajudem também a salvar vidas.

Cinco utentes acolhidos na Santa Casa da Misericórdia de Barcelos

O Semanário V teve acesso a comunicado onde a instituição apresenta os utentes que recebeu. Rui tem 71 anos. Chegou ao serviço de urgência do Hospital de Braga, a 12 de dezembro último, levado pelos Bombeiros. Não se sabe por que motivo nem quem acionou os Bombeiros. Não apresentava, à data de internamento, critérios clínicos que o justificassem. Rui é autónomo, mas tem um discurso pouco orientado e suspeitas de síndrome de Parkinson. Não se lhe conhece família e, ao que tudo indica, não terá condições no domicílio.

Rui e Amaro ingressaram no Lar Nossa Senhora da Misericórdia, Honorato foi acolhido no Lar Rainha Dona Leonor. Cumprem, neste momento, o período de isolamento, para depois serem integrados com os restantes residentes nas ERPI. Estes três utentes chegaram, provenientes do Hospital de Braga e foram acolhidos pela Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, face a um apelo com caráter de urgência. O objetivo foi ajudar a libertar camas do Serviço Nacional de Saúde, para ajudar a responder à pandemia. Perante as suas possibilidades, a Santa Casa de Barcelos respondeu de forma positiva e recebeu-os, com a esperança de que, com isso, as camas libertadas nos hospitais ajudem também a salvar vidas.

Já no final de 2020, nas primeiras semanas de dezembro, a instituição tinha acolhido dois outros utentes.

Por falta de enquadramento familiar, Júlia estava no serviço de Medicina do Centro Hospitalar e Universitário do Porto – Hospital de Santo António. Natural de Barcelos, cedo partiu para o Porto, para ganhar a vida. Emigrou, depois, para Angola, de onde voltou mais tarde, retornada. A vida não lhe sorriu. Vivia numa ilha social, na cidade do Porto, e, apesar falta de enquadramento familiar, nenhum lar a acolheu.

Regressou agora à cidade onde nasceu. A Misericórdia de Barcelos abriu-lhe as portas do lar do Centro Social Comendadora Maria Eva Nunes Corrêa, em Silveiros, onde vive desde 16 de dezembro. “Estou bem, gosto de cá estar”, diz. É de poucas palavras. Adivinhamos-lhe o sorriso por detrás da máscara. Júlia tem 90 anos, é solteira e não tem filhos. “Aqui, sinto-me bem cuidada, fazem o melhor que podem”, completa.

Também Eduardo foi acolhido no Lar de Santo André (LSA). Tem 83 anos e estava, desde julho de 2019, deixado na unidade hospital portuense. Está integrado no LSA e criou boa empatia, quer com os colaboradores, quer com os restantes residentes.

“A Santa Casa de Barcelos recebeu estas cinco pessoas, pois, independentemente das dificuldades com que é confrontada, não pode passar ao lado daquilo que é a maior crise de saúde pública dos últimos 100 anos e não pode deixar de estar aberta a ajudar quem mais precisa”, escreve a Santa Casa de Barcelos em comunicado.

Comentários

topo