Vila Verde

Morais bate a porta ao Partido Socialista de Vila Verde: “Não sou candidato”

Partilhe esta notícia!

José Morais, vereador socialista na Câmara Municipal de Vila Verde, disse hoje em comunicado enviado à redação do Semanário V que não será candidato à Câmara nas próximas eleições autárquicas.

A decisão surge em menos de duas semanas após a demissão do presidente da Comissão Politica Concelhia do PS de Vila Verde, Samuel Estrada que disse não ter conseguido “unir e pacificar as diversas fações do partido” em torno do projeto com que foi eleito.

Diz José Morais que com esta posição quer “apenas contribuir para que se abra a porta para um novo ciclo político em Vila Verde.”

Morais alega razões políticas e pessoais

“É com o sentimento de dever cumprido que posso afirmar que saio como entrei: de cabeça erguida e de consciência tranquila. Por uma questão de transparência e de clareza, dir-vos-ei, que não serei candidato por razões políticas e por razões pessoais”, adianta.

Diz ainda o vereador que o PS e o concelho “necessitam, e merecem, este novo ciclo.”

Mentiras, insultos e ameaças – o dia a dia de um socialista em Vila Verde

José Morais confessa ao Semanário V que no plano pessoal, nestes oito anos, ele e a sua família, foram “várias vezes alvo de mentiras, insultos e ameaças”, dizendo que apesar de magoado nunca se deixou intimidar e sempre deu “o corpo às balas.”

Para Morais, este é o tempo de dar sossego à família: “Ao fim de oito anos, com muito tempo ausente por causa da atividade política, entendo que é hora de tentar recuperar algum desse tempo também. E, mais importante, é tempo de dar algum sossego aos ataques maldosos e infundados de que a minha família tem sido alvo.”

PS de Vila Verde. Futuro passará por Luís Filipe Silva?

Luís Filipe Silva

Em declarações exclusivas ao Semanário V, José Morais diz que o antigo vereador socialista Luís Filipe Silva “é um dos melhores quadros políticos de Vila Verde” e que “se essa for a escolha do partido, a candidatura do PS estará muito bem entregue.”

Para Morais “o PS tem muitos quadros capazes de liderar um projeto autárquico. Os órgãos competentes tomarão a seu tempo a decisão.” O vereador descarta a ideia do partido não apresentar nenhum candidato às próximas Autárquicas: “Não me parece que esse seja o melhor cenário. Defendo que o PS deve ter um candidato próprio.”

Comunicado na íntegra:

Caras e Caros vila-verdenses:

Quero comunicar-vos que não serei candidato à câmara de Vila Verde nas próximas eleições autárquicas.

Em devido tempo disse-o ao meu partido e entendo que agora o devo fazer publicamente.

Agradeço aos órgãos do partido e a todos os que me tentaram demover, mas acho que esta é a melhor decisão para o PS e para o concelho.

Com esta posição, quero apenas contribuir para que se abra a porta para um novo ciclo político em Vila Verde.

Nestes últimos oito anos da minha vida, dediquei-me, de corpo e alma, à causa pública a bem do nosso concelho.

Foi uma honra poder ter servido Vila Verde e os vila-verdenses na oposição.

É com o sentimento de dever cumprido que posso afirmar que saio como entrei: de cabeça erguida e de consciência tranquila.

Por uma questão de transparência e de clareza, dir-vos-ei, que não serei candidato por razões políticas e por razões pessoais.

No plano político, repito, quero contribuir para que o novo ciclo político em Vila Verde se possa iniciar em tempo útil para as próximas eleições autárquicas.

O PS, e sobretudo o concelho, necessitam, e merecem, este novo ciclo.

Durante oito anos servi o nosso concelho na oposição.  

Fi-lo de forma determinada e firme, mas sempre de forma construtiva.

Nunca me escondi nem nunca me deixei intimidar.

Também nunca me deixei atrair pelas benesses do poder. Era mais fácil aceitá-las, mas rejeitei-as sempre para me manter fiel a mim mesmo.

Caros vila-verdenses:

Felizmente não dependo da política para viver.

Apesar de ser vereador há praticamente oito anos, nunca recebi qualquer salário da câmara.

E também nunca desempenhei qualquer cargo político remunerado.

Sou empresário e um técnico especializado na área da eletrónica.

É assim, a trabalhar muitas horas por dia, que ganho a vida. Sempre assim foi, e assim quero que continue a ser. 

 É isto que permite preservar a minha liberdade, que tanto prezo.

No plano pessoal, nestes oito anos, eu e a minha família, fomos várias vezes alvo de mentiras, insultos e ameaças.

Magoou-me, mas nunca me intimidei e dei sempre o corpo às balas.

Ao fim de oito anos, com muito tempo ausente por causa da atividade política, entendo que é hora de tentar recuperar algum desse tempo também. E, mais importante, é tempo de dar algum sossego aos ataques maldosos e infundados de que a minha família tem sido alvo. 

Aos que me acompanharam nesta viagem de oito anos, dentro e fora do partido, estou grato pelo apoio, pelo incentivo e pela presença constante.

Ao contrário do que muitas vezes se ouve por aí, ao longo desta caminhada encontrei muitas pessoas fantásticas, solidárias e dedicadas ao bem comum, Gente de enorme generosidade que de forma mais ou menos anónima, sem esperarem nada em troca, lutaram de forma abnegada por ideias, princípios e convicções. Tenho-as guardadas para sempre no coração.

Encerro este capítulo da minha vida, agradecendo-vos a todos por me terem ouvido, incentivado, apoiado e até criticado. Tentei escutar tudo e todos, pois ninguém é dono da verdade absoluta.

Quero que saibam que, quer apoiando, quer criticando,  me ajudaram a ser melhor pessoa e melhor político.

Caras e Caros vila-verdenses:

Aos que me acompanharam nesta viagem de oito anos, aos militantes do PS, aos simpatizantes e à sociedade civil, estou grato pelo apoio, pelo incentivo e pela presença constante. Muito obrigado. Mas muito obrigado, mesmo!

Vila Verde é a terra mais linda do Mundo. Saibamos todos juntos cuidar dela.

Muito obrigado.

Comentários

topo