Vila Verde

Estudo de Raúl Pereira, médico na Santa Casa de Vila Verde, publicado em Oxford

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Raul Pereira é especialistas no combate à dor crónica e vão passar a ter um sistema integrado de consultas com acompanhamento da dor, no Hospital de Vila Verde. Falámos com o especialista sobre dor crónica e dor aguda.

Raul Pereira, médico especialista em Medicina Geral e Familiar e na Medicina da Dor, explicou ao Semanário V um pouco do conceito da “dor crónica” e do que é possível fazer a partir de janeiro de 2018, no Hospital da Misericórdia de Vila Verde (HMVV).

O que é a dor crónica?

Raul Pereira (RP): A dor crónica define-se como uma dor que se afeta a pessoa no seu dia a dia e dura mais de 3 meses. A dor cronica por si só é considerada uma doença e inclui todas as dores que afetam as pessoas numa base diária e que as incapacitam para o seu dia a dia. Um exemplo típico de dor cronica é a dor lombar – a “dor de costas” – que afeta muitos doentes e que os acompanha, muitas vezes, ao longo de toda a vida. Este tipo de dor tem tratamento que, juntamente com o acompanhamento adequado, consegue aumentar significativamente a qualidade de vida. Todas as pessoas que tenham uma dor diária e persistente, independentemente do motivo, devem ser avaliadas numa consulta de dor crónica para se ter um diagnóstico e tratamento corretos.

Como se faz o diagnóstico da dor? Mede-se a intensidade?

RP: A dor deve ser avaliada em primeiro lugar com um diagnóstico correto. Deve perceber-se exatamente qual o problema de saúde que está a causar a dor – se é artrose, problemas de hérnia lombar, etc. Depois deve avaliar-se o tipo de dor e perceber se tem, por exemplo, um componente neuropático. Há muitas dores que causam sensação de adormecimento, choques elétricos, etc e que precisam de um tratamento mais especial. Depois mede-se a intensidade de dor antes de iniciar o tratamento e ao longo do tratamento para perceber a melhoria do doente. Para isso, usam-se escalas que avaliam a dor em si, a incapacidade para o dia a dia e a qualidade de vida. Através destas escalas conseguimos perceber o grau de melhoria da pessoa ao longo do tratamento.

Quais os benefícios da consulta e para quando uma consulta da dor no Hospital de Vila Verde?

RP: Em janeiro de 2018 iniciaremos uma consulta com abordagem integrada da dor no HMVV. Nesta consulta estará ao dispor dos doentes uma avaliação médica e colaboração multidisciplinar de varias especialidades medicas, sempre que necessário. Será uma consulta em que se combinará o uso de medicamentos e, se necessário outras técnicas, realizadas por Anestesiologia. Assim, conseguimos abarcar quase 100% das situações de dor cronica, dan- do uma resposta eficaz a estes doentes que muitas vezes sen- tem que a sua dor não é valorizada e acompanhada. Esperamos poder contribuir para uma maior qualidade de vida destas pessoas, apresentando o que de melhor se faz neste área a nível nacional e proporcionando um acompanhamento eficaz para todos os doentes com dor que nos procurem.

Estudo reconhecido em Oxford

Em exclusivo ao Semanário V, Raúl Pereira explica que “o trabalho publicado nesta revista reflete uma nova abordagem aos doentes com dor, assente na necessidade de dar uma resposta à pessoa com dor num momento de pandemia, em que muitas consultas foram canceladas. Criou-se um algoritmo de avaliação e seguimento da pessoa com dor à distância com vista a agilizar o trabalho dos médicos envolvidos no tratamento de dor. O próximo passo será fazer um estudo alargado para validar a utilização deste algoritmo de uma forma generalizada, criando mais uma ferramenta para ajudar a pessoa com dor”.

Raúl Pereira na linha da frente do combate à Covid-19

Raúl Pereira é o responsável da ala Covid-19 criada pela Misericórdia de Vila Verde, tal como noticiou o Semanário V, e é o mentor da recuperação dos doentes associados à doença Covid-19.

Raul Pereira: “Hoje, ser médico é tratar pessoas, não doenças nem episódios”

Comentários

topo