País

Câmara da Amadora ajuda comércio e restauração com um milhão de euros

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

A Câmara Municipal da Amadora, no distrito de Lisboa, aprovou a terceira fase do programa Revitalizar, no valor de um milhão de euros, destinado a apoiar os empresários do setor do comércio e restauração, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a Câmara da Amadora explica que as candidaturas ao “Revitalizar 3.0″, que prevê também uma comparticipação financeira aos processos de adaptação de esplanadas, vão decorrer entre 15 e 31 de março.

O programa destina-se aos empresários dos setores do comércio a grosso e retalho, reparação de veículos e motociclos, alojamentos, restauração e similares.

Para serem elegíveis a este programa, as empresas não poderão ter um volume de negócios superior a 500 mil euros e terão de demonstrar quebras de faturação superiores a 25%, entre janeiro e dezembro de 2020.

Além disso, as empresas terão de manter os postos de trabalho existentes até, pelo menos, 31 de dezembro de 2021.

O “Revitalizar 3.0” prevê, igualmente, uma comparticipação financeira da Câmara da Amadora na adaptação de esplanadas.

Assim, os beneficiários terão uma comparticipação municipal a fundo perdido de 50% do valor da fatura de aquisição de guarda-sóis e guarda ventos até ao limite de 500 euros e de 50% na aquisição de mobiliário para esplanada até ao limite de 1.500 euros.

“Até à data, a Câmara Municipal da Amadora já apoiou cerca de três centenas de empresas e, desta forma, garantiu a manutenção de centenas de postos de trabalho através do fundo de fomento municipal”, lê-se na nota da autarquia.

A 1.º fase do programa Revitalizar teve uma dotação de dois milhões de euros e a 2.º fase um milhão.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.486.116 mortos no mundo, resultantes de mais de 112 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.136 pessoas dos 800.586 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários

topo