Braga

Susana tem cancro e infarmed recusou tratamento pedido pelo hospital de Braga

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Aos 34 anos foi-lhe diagnosticado cancro da mama, doença que a tem acompanhado nos últimos 8 anos. Durante este período, a Susana foi submetida a vários tratamentos incluindo quimioterapia, radioterapia, hormonoterapia e intervenção cirúrgica, uma vez que o cancro recidivou duas vezes em 2018 e 2019.
No final de 2020, o cancro voltou e que, desta vez, só há um tratamento possível – monoterapia com Lynparza (substância ativa Olaparib), o único que permitirá prolongar e melhorar a qualidade da vida que lhe resta.
Infelizmente, em março de 2021, a Susana recebeu a notícia de que a sua única esperança de continuar a viver lhe teria sido recusada. A Infarmed rejeitou o pedido do Hospital de Braga para administrar este tratamento.
Trata-se de um medicamento hospitalar ao qual a Susana teria acesso através de um seguro de saúde, ou da ADSE, recorrendo a um hospital privado para a administração do mesmo.

Revolta entre a sociedade e na cidade de Braga

“Susana é uma cidadã portuguesa que sempre cumpriu com todas as suas obrigações para com o estado Português, pagando sempre todos os seus impostos. Agora, quando precisa da ajuda do Estado este vira-lhe as costas, com o indeferimento do pedido. Após o conhecimento da decisão da Infarmed, o Hospital de Braga continua a afirmar que a Susana precisa desde medicamento. Poderíamos apelar a fundos monetários para que a Susana conseguisse fazer este tratamento. No entanto, não é isto que a Susana precisa. Mesmo que conseguisse angariar o montante necessário para pagar o medicamento, isto não seria suficiente, uma vez que o mesmo não está disponível para venda. O que a Susana precisa é de ter acesso a cuidados de saúde, um direito de todos os Portugueses.
Assim, apelamos à partilha desta mensagem, uma vez que acreditamos ser a única forma de conseguir a autorização para a administração do tratamento”, apela um grupo de amigos para ajudar a sensibilizar a sociedade para este problema.

Comentários

topo