País

Sindicato dos Polícias Municipais acusa Governo de “atitude discriminatória”

(C) LUSA
Partilhe esta notícia!

O Sindicato Nacional das Policias Municipais (SNPM) manifestou-se hoje indignado considerando que o Governo teve uma “atitude discriminatória” em relação aos seus agentes, excluindo-os do direito ao subsídio extraordinário de risco pelo combate à pandemia covid-19.

Em comunicado, o SNPM considera “uma atitude discriminatória do Governo em relação aos agentes municipais do regime geral, ao não prever, injustificada e injustamente, no universo dos trabalhadores que terão direito a auferir o subsídio extraordinário de risco pelo combate à pandemia da doença covid-19, não obstante serem elementos essenciais nos esforços das autarquias locais para o efeito”.

O sindicato considera tratar-se de “mais uma expressão da invisibilidade a que os agentes da polícia municipal têm sido votados pelo Governo, inclusive no presente contexto de combate à doença covid-19”, lembrando que os agentes de polícia municipal também não foram selecionados para integrar o grupo de vacinação prioritária.

“Não obstante o Governo já ter sido imediatamente interpelado por esta associação sindical, certo é que, até à presente data, não foi a situação em apreço retificada ou qualquer justificação apresentada por quem de direito”, refere a nota.

De acordo com o sindicato, os policias municipais foram a primeira força policial a intervir no combate à atual pandemia, tendo a sua intervenção ocorrida logo aquando do primeiro confinamento em março do ano passado.

“Se o Governo não corrigir esta iníqua e ilegal situação de imediato, o SNPM irá encetar as medidas de contestação sindical apropriadas e que poderão passar por uma greve nacional e várias greves locais”, alertam os responsáveis sindicais.

O SNPM lamenta “todo transtorno que estas medidas possam causar no momento tão sensível e dramático em que o país se encontra”, mas declina toda a responsabilidade pelo eventual prejuízo que tal poderá implicar para o esforço de vacinação.

O sindicato avança que a responsabilidade “é exclusivamente imputável ao atual Governo, que empurrou os agentes de Polícia Municipal para esta situação ultrajante que os humilha”.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.756.395 mortos no mundo, resultantes de mais de 125,4 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.819 pessoas dos 819.698 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários

topo