País

Covid-19. Governo quer vacinar em abril 100 mil pessoas por dia

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

O coordenador da ‘task force’ responsável pelo plano de vacinação para a covid-19 estimou hoje que em abril seja possível vacinar 100 mil pessoas por dia, atendendo às remessas de vacinas que Portugal deverá receber no segundo trimestre.

“Temos o objetivo de vacinar todos os dias 100 mil pessoas e, se vierem mais vacinas, não vamos acumular vacinas, porque isso antecipa o processo de vacinação e a proteção das pessoas, e, podemos chegar às 150 mil vacinas/dia, o que é uma operação logística gigantesca”, afirmou em declarações aos jornalistas Gouveia e Melo.

O responsável adiantou que, até domingo, 80% das pessoas com mais de 80 anos vão ficar vacinadas com a primeira dose, o que “é um critério de sucesso”.

Se neste primeiro trimestre, Portugal recebeu dois milhões de vacinas, a previsão para o segundo trimestre é de nove milhões de vacinas, das quais 1,8 milhões em abril e as restantes nos dois meses seguintes.

“Vamos saltar um fim de semana [o da Páscoa] para nos organizarmos e passarmos, no fim de semana seguinte, de 40 mil para 100 mil por dia”, explicou, o que requer um plano organizado com profissionais suficientes, locais de vacinação definidos e “vacinar com rapidez para não acumular vacinas”.

Gouveia e Melo admitiu que têm surgido “dificuldades no processo” relacionadas com pessoas idosas ou isoladas que, “mesmo que tenham telemóveis não os atendem ou não respondem às mensagens”.

Mas, com a ajuda das autarquias estas dificuldades “têm sido superadas”, referiu.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.768.431 mortos no mundo, resultantes de mais de 126 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.827 pessoas dos 820.042 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários

topo