Saúde

Covid-19. Sociedade de Transplantação reitera urgência de vacinar transplantados

(c) LUSA
Partilhe esta notícia!

A Sociedade Portuguesa de Transplantação (SPT) voltou hoje a alertar para a importância de vacinar contra a covid-19 os cerca de 10 mil doentes transplantados, que têm um risco acrescido de mortalidade que pode atingir os 30%.

“Estamos bastante preocupados porque os doentes transplantados são imunodeprimidos, têm longos anos de acumulação de imunodepressão que lhes retira as defesas e, portanto, estão particularmente suscetíveis às infeções, nomeadamente à infeção por SARS-CoV-2”, o coronavírus que provoca a doença covid-19, disse hoje à agência Lusa a presidente da SPT, Susana Sampaio.

Além da sua doença de base, estes doentes têm outras comorbilidades como hipertensão, doença cardiovascular, obesidade, tendo um risco acrescido de doença grave e de mortalidade.

Susana Sampaio sublinhou que o risco acrescido para estes doentes, quer pela imunossupressão quer pelas comorbilidades que apresentam, condiciona um aumento da mortalidade por covid-19 que pode atingir os 30%, dependendo do tipo de transplante.

“É natural que os planos de vacinação vão sendo revistos à medida que vamos tendo mais vacinas, porque também temos a questão da disponibilidade de vacinas, mas na realidade a Sociedade Portuguesa de Transplantação e os colegas que estão na área da transplantação consideram que este grupo deve ser considerado prioritário e incluído na primeira fase de vacinação”, defendeu.

No início deste ano, a Sociedade Portuguesa de Transplantação enviou uma carta à Direção-Geral da Saúde e ao antigo presidente da ‘task force’ que coordena o programa de vacinação contra a covid-19 a lembrar este grupo de doentes e a solicitar que fosse considerado como grupo prioritário, mas não obteve resposta até ao momento, adiantou Susana Sampaio.

No total, haverá neste momento cerca de 10 mil doentes transplantados com “órgãos sólidos” como o rim, pulmão, fígado coração, disse a médica, considerando que é “uma população relativamente pequena quando comparada com outro tipo de populações”.

Segundo a especialista, todas as unidades têm doentes que foram atingidos pela doença e têm também óbitos.

No âmbito do XV Congresso Português de Transplantação, organizado em formato virtual, que decorreu entre 24 a 26 de março e que contou com cerca de 400 especialistas, foram recolhidos dados preliminares que apontam para “cerca de 4 a 5% de incidência de covid-19 nos doentes transplantados” e para uma mortalidade de cerca de 7%.

A pandemia de covid-19 já causou 16.845 mortes em Portugal dos 821.104 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Comentários

topo