Braga

GNR de Braga autuou seis infratores de “descargas ilegais” em rios e ribeiras

(c) GNR
Partilhe esta notícia!

O Comando Territorial da Guarda Nacional Republicana (GNR) de Braga, através da estrutura do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA), entre os dias 14 a 20 de abril, detetou seis infrações e realizou diversas ações de prevenção e fiscalização a descargas poluentes em diversos recursos hídricos no distrito de Braga.
Em ações distintas, os militares da Guarda detetaram diversas infrações nos concelhos de Braga, Guimarães, Barcelos e Fafe, tendo culminado na realização de seis autos de contraordenação ambiental. Numa das ações, junto à margem do rio Este, foi detetado um local de gestão de resíduos, tendo sido elaborado um auto de contraordenação por exercício de atividade de gestão de resíduos não licenciado. No rio Ave, foi identificada a origem de uma fossa doméstica que se encontrava a rejeitar águas degradadas para a margem do referido recurso hídrico. Noutra ação, na ribeira de Couros, após diligências policiais e conhecimento do resultado das amostras de efluentes, foi detetada uma infração por rejeição de águas resultantes de processo industrial. Na margem do rio Côvo, foram detetadas duas situações distintas, nomeadamente uma movimentação de terras realizada no domínio hídrico sem o competente licenciamento, e uma rejeição de águas degradadas cuja origem está relacionada com um habitação unifamiliar. Por último, na ribeira de Docim, após várias diligências, foi ainda identificada a origem de uma rejeição de águas degradas.
Todos os autos de contraordenação foram remetidos à Agência Portuguesa do Ambiente, I.P.
“Estas ações decorrem de uma intervenção intensa e sistemática que tem sido levada a cabo pelos elementos do SEPNA no distrito de Braga, com vista à salvaguarda e proteção dos recursos hídricos através da identificação e eliminação das descargas poluentes e da prevenção e deteção de alterações às características dos recursos hídricos, estando planeadas ações futuras”, escreve a GNR em comunicado a que acedeu o Semanário V.

Comentários

topo