Vila Verde

Há 20 praias com Bandeira Azul no Minho. Ainda não foi desta para a Praia Fluvial do Faial

Partilhe esta notícia!

É um anseio antigo da população da Vila de Prado e uma promessa com anos por parte do executivo municipal (PSD) de Vila Verde. Em 2021, seis praias do distrito de Braga – incluindo, pela primeira vez, a Albufeira da Queimadela, em Fafe, e 14 do distrito de Viana do Castelo, foram galardoadas com a Bandeira Azul. A Praia Fluvial do Faial voltou a ficar de fora. 

Pouco mais de sete quilómetros distanciam a Praia do Faial, frequentada por milhares de pessoas ao longo do ano, com particular incidência no período de Verão, da Praia Fluvial de Adaúfe, no concelho de Braga. Esta última foi distinguida pela sexta vez consecutiva com a Bandeira Azul em 2021. No Faial, também à margem do Rio Cávado, a bandeira nunca foi erguida.

De acordo com a Associação Bandeira Azul, esta distinção é “um símbolo de qualidade” que “significa, entre outras coisas, que é uma praia com uma boa qualidade da água, limpa e equipada com recipientes para o lixo, com instalações sanitárias em boas condições de higiene, com boas acessibilidades, que é vigiada por nadadores- -salvadores (…) com equipamento para prestar os primeiros socorros e com informação e atividades de educação ambiental. Ao todo são necessários 32 requisitos para que uma praia possa hastear a Bandeira Azul”.

2021 trouxe ao Minho uma estreante: a Praia Fluvial da Albufeira da Queimadela, no concelho de Fafe, que se juntou a Adaúfe (Braga) e a Suave Mar, Marinhas/Cepães, Fão/Ofir e Apúlia (Esposende). No distrito de Viana do Castelo, é na capital do Alto Minho que reside a maioria das bandeiras azuis: Afife, Amorosa, Arda, Cabedelo, Carreço, Castelo de Neiva, Luziamar, Norte e Paçô. Segue-se Caminha, com Bandeira Azul na praia fluvial de Azenhas/Vilar de Mouros e ainda em Caminha, Forte do Cão, Moledo e Vila Praia de Âncora.

No total, os dois distritos representam 20 das 372 praias com Bandeira Azul em 2021, distribuídas por 98 concelhos. Vila Verde, com várias praias fluviais, não é um deles.

Em 2015, Faial era “praia de má qualidade”

No ano de 2015, Portugal tinha 451 praias “excelentes, 85% do total das classificadas”, mas havia, no sentido inverso da moeda, “seis praias classificadas como más”, sendo uma delas a Praia Fluvial do Faial, conforme afirmou à Lusa Francisco Ferreira, da Quercus.

Na altura, quatro das praias classificadas como más estavam na região autónoma da Madeira (Gorgulho, Poças do Gomes/Doca do Cavacas, Banda D’Além e S. Roque), uma praia era de transição (praia do Areinho, em Ovar), sendo a Praia do Faial a única considerada como “interior”.

A classificação da associação ambientalista foi dada com base em dados da Agência Portuguesa do Ambiente. Já nessa ocasião, os dois parâmetros em destaque nas análises passavam pela “presença ou não dos enterococos intestinais e da ‘escherichia coli’.

Em Prado… Só houve bandeira vermelha

Em termos de cores de bandeiras, as razões que trouxeram a Praia Fluvial do Faial à esfera pública não foram as melhores.

A 30 de junho de 2017, o Semanário V noticiou que a praia estava interdita a banhos por tempo indeterminado, por terem sido detetados elevados níveis de salmonellas na água.

A medida foi decretada por delegados de saúde da ARS Norte, na sequência de análises efetuadas pela delegação de saúde local à qualidade da água do rio Cávado na área correspondente à praia pradense.

Durante mais de 40 dias, uma boa parte do período de veraneio, os banhos estiveram proibidos naquela zona, algo que não evitou as enchentes de banhistas nas margens do Rio Cávado.

Naquela altura, o mastro que segurava as bandeiras de sinalização do estado da água na praia chegou, inclusive, a desaparecer.

No final de agosto de 2019, a Agência Portuguesa do Ambiente divulgou a ocorrência de contaminação microbiológica nas águas do Cávado, o que gerou nova interdição, não só na Praia Fluvial do Faial mas também na outra margem, já no concelho de Braga, na Praia Fluvial de Merelim S. Paio. A bandeira vermelha esteve erguida de 26 a 31 de agosto.

Vilela prometeu Bandeira Azul… Em 2017

Esta já é uma “bandeira” de campanha há alguns anos.

Se naquele ano, por ocasião da bandeira vermelha erguida durante um mês e meio, o na altura autarca pradense, Paulo Gomes, ergueu uma bandeira negra em protesto no Faial,  António Vilela prometia uma “aposta no turismo de natureza” que colocava Vila Verde “no sexto lugar nacional dos concelhos emergentes nesta área”. Dizia, em setembro de 2017, esperar “obter bandeira azul da Praia Fluvial do Faial, em 2018, aquando da realização do campeonato do mundo de canoagem” e recordava, naquele contexto, que de acordo com a Agência Portuguesa do Ambiente, o Faial “é uma das praias fluviais mais frequentadas do país”, palavras que podem ser recordadas aqui

A promessa ficou pendente. O campeonato do Mundo em Canoagem de Maratona foi em setembro de 2018 e levou milhares às margens do Cávado, na Vila de Prado.

A Bandeira Azul, essa, ainda não foi erguida na Praia Fluvial do Faial. E não vai acontecer em 2021.

 

Comentários

topo