País

Famílias têm papel importante nos resultados da melhor escola pública do pais

(c) LUSA
Partilhe esta notícia!

Na Escola Secundária da Infanta D. Maria, em Coimbra, ocupar os lugares cimeiros das melhores escolas públicas já é quase um hábito. O corpo docente e as boas instalações ajudam, mas é o contexto familiar que desempenha o papel mais importante.
A notícia de que a escola foi a melhor pública do país em 2020 (34.ª no total) é recebida com agrado por parte da diretora, Cristina Ferrão, que nota que o resultado “já se vai tornando num hábito nestes últimos tempos”.

Na direção da Escola Infanta D. Maria desde 2018, Cristina Ferrão encontrou um estabelecimento com “boas condições físicas” e um “conjunto de professores que ajuda os seus alunos a alcançarem” os resultados agora plasmados no ‘ranking’.

No entanto, a diretora aponta para o contexto familiar como uma característica determinante para a posição da escola no ranking.

Com 894 alunos e 22 turmas no secundário, esta escola está inserida numa das zonas mais nobres da cidade, a Solum, numa freguesia, que, segundo os censos de 2011, contava com cerca de metade da população com ensino superior completo (ao contrário de 15% a nível nacional).

“O ambiente familiar destes alunos é de um contexto socioeconómico agradável. São muitos os pais licenciados, com mestrado, com doutoramento, que proporcionam aos seus filhos e educandos, desde pequeninos, um contexto que os leva a ter um conjunto de objetivos e que os leva a criarem condições para mais tarde poderem entrar nos cursos que eles escolhem”, disse à agência Lusa Cristina Ferrão, notando que a maioria dos alunos fica no primeiro curso que coloca no concurso de acesso à universidade, com Medicina, Direito e Engenharia Aeroespacial a serem os mais apetecidos.

Filomena Pedroso, professora bibliotecária, chegou à escola no início do presente ano letivo e saltou-lhe logo à vista a “boa qualidade das instalações” e condições de trabalho, vindo a docente de uma escola que não foi intervencionada pela Parque Escolar.

“Temos um corpo docente muito experiente e dedicado aos seus alunos e alunos tão talentosos como motivados para construir o seu conhecimento e para corresponder aos desafios que lhes são lançados”, observou, frisando que também sente que os pais estão muito presentes, “acompanhando de perto o percurso educativo dos seus filhos”.

Maria António Martins, há cerca de oito anos docente na escola, realça que a principal diferença está nos alunos, que “têm mais objetivos, sabem o que querem, o curso que querem tirar e trabalham o mais possível para serem eles próprios a escolher o curso e não o inverso”, apoiados por um “suporte familiar mais atento”.

“Eu sou a mesma professora, preparo as aulas com os mesmos cuidados que tinha na outra escola”, constatou a docente de Física e Química, considerando que são os alunos que “fazem muita diferença”, além de uma comunidade escolar que procura ir sempre ao encontro das suas necessidades.

Camila Marques, que frequenta o 12.º ano em Economia, destaca a proximidade que sempre notou com os professores.

“A partir do momento em que ingressei nesta escola foi algo que logo senti”, realçou, e depois o próprio ambiente da escola” ajuda a atingir “os objetivos”«.

Eliana Andresen, no 12.º ano, também aponta para o “ambiente didático” presente na escola, além de ser um espaço “muito exigente, principalmente do método de estudo, com algum rigor e com alguma preocupação, em comparação com a maioria das restantes escolas”.

No entanto, Eliana, que sonha ingressar em Medicina, realça que o próprio contexto familiar dos alunos ajuda para os resultados.

Na sua turma, por exemplo, a média de notas costuma “passar os 15, 16 valores”.

“Quer queiramos quer não, um maior acesso a recursos, quer livros de apoio, quer explicações, quer computadores, é muito favorável e proporciona aos alunos muito maiores instrumentos para conseguirem estudar e obter melhores resultados”, salientou.

Para obter estes resultados no meio de uma pandemia, o apoio das famílias também “foi fulcral”, afirmou a diretora.

Aquando do primeiro confinamento, a principal preocupação da escola foi garantir que o 3.º período pudesse acontecer “o melhor e mais serenamente possível”.

“Os anos de exame regressaram em maio e preparámos a escola nesse sentido”, explicou.

Apesar dos resultados bastante positivos que a escola soma quase todos os anos nos ‘rankings’, Cristina Ferrão realça que os objetivos que movem a direção “são outros”.

“O exame é o culminar de todo um trabalho, de um processo de aprendizagem e de ensino, e o novo processo de avaliação pressupõe o aluno como um todo. Os exames nacionais são apenas um momento. Às vezes, é uma questão de sorte, mas como estão tão focados e prontos para estes momentos de tensão, acabam por se preparar bem e daí talvez estes resultados, com a ajuda dos professores, com a ajuda dos pais, com a ajuda do ambiente familiar, de tudo aquilo que têm à sua mão”, salientou.

Comentários

topo