Braga

Rio Este fustigado por descargas poluentes e Câmara Municipal de Braga ‘não atua’

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

O rio Este voltou a sofrer uma descarga poluente e estes atos tornam-se recorrentes. Braga assiste incrédula a estas descargas sem que, as autoridades, atuem de forma firme contra os infratores.

Nas redes sociais são inúmeras as vozes de revolta contra estes ‘atentados’ e questionam quando a Câmara Municipal de Braga irá atuar em força contra os infratores. “E o que fazer a estas descargas poluentes que destroem fauna e flora do nosso rio? Tristeza não haver multas pesadas para os criminosos e pior, não haver procura do responsável do ato”, escreve um popular revoltado em publicação a que acedeu o Semanário V.

PAN questiona Ministério do Ambiente sobre descargas ilegais no rio Este em Braga

O PAN levou o assunto ao Governo

O Grupo Parlamentar do PAN Pessoas-Animais-Natureza, questionou o Ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, relativamente aos atos sucessivos de descargas poluentes para o rio Este, em Braga.

A poluição do Rio Este tem sido o maior problema ambiental com que a cidade de Braga se vem debatendo ao longo dos anos e em particular nos últimos sete anos em que têm vindo a aumentar as descargas ilegais.

“Esta situação representa um dos maiores crimes ambientais do concelho de Braga, com repercussões graves também a jusante da cidade. A impunidade perante este crime ambiental leva a que os munícipes manifestem incompreensão em face da aparente inércia por parte das entidades responsáveis em solucionar este flagelo”, afirma Bebiana Cunha, deputada do Grupo Parlamentar do PAN.

De acordo com a deputada, “o aspeto, o odor, a poluição evidente das águas do Rio Este têm sido referidos como um choque para a população local. Não podemos compactuar com a inépcia e a ineficácia na gestão e proteção dos cursos de água feita por parte das entidades competentes, que desta forma continuam a prejudicar a saúde ambiental e pública”.

Apesar de em 2019, o Ministério do Ambiente ter garantido que a Agência Portuguesa do Ambiente, em conjunto com o Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente SEPNA da GNR e com a Câmara Municipal de Braga, estariam a definir uma estratégia concertada de atuação com vista à minimização destas ocorrências, a verdade é que tal não é visível no terreno.

Para o PAN, importa que o Ministério do Ambiente e demais entidades competentes definam estratégias e procedimentos, de forma a garantir uma resolução definitiva para este problema ambiental, inaceitável em pleno século XXI. Para tal, é fulcral a identificação dos locais problemáticos com maior número de registos de descargas ilegais frequentes, assim como das medidas que possam já ter sido exigidas aos infratores eventualmente identificados.

“O PAN irá continuar a acompanhar esta situação de perto, inclusive a nível local, tanto para se apurar responsabilidades, como para fazermos parte da solução. Salientamos, porém, que, para que a situação seja definitivamente solucionada, a manutenção do bom estado ecológico deste e de outros meios hídricos têm que ser prioridades das entidades responsáveis. A estas compete fiscalizar, criar e fazer implementar as medidas necessárias com vista ao cumprimento das diretivas comunitárias e legislação nacional”, remata a deputada.

Comentários

topo