Vila Verde

Vila Verde. Presidente da Assembleia Municipal recusa ‘discutir’ propostas do PS

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

O Partido Socialista (PS) de Vila Verde propôs ao presidente da Assembleia Municipal de Vila Verde, Carlos Arantes, a inclusão de pontos à discussão em Assembleia. Pontos este que, segundo o PS, foram rejeitados e não serão discutidos.

Comunicado na íntegra do PS de Vila Verde

“Na passada semana apresentámos à Mesa da Assembleia um pedido para aditamento de pontos à ordem de trabalhos propondo, entre outros temas, a ampliação dos circuitos de recolha do lixo, a análise de diversos outros assuntos como a execução deficiente das obras de saneamento, o estado do caso IEMINHO e a construção de muros para particulares, etc…

Recebemos na sequência desse pedido , e sem admiração, a informação do Presidente da Mesa da Assembleia dando-nos conta da rejeição da inclusão dos pontos que pretendíamos aditar à ordem de trabalhos.

Não nos surpreende esta posição absurda – absolutamente incoerente, contraditória e ilegal -que se insere na lógica ditatorial do REGIME que procura silenciar a oposição e limitar os poderes da Assembleia de modo a facilitar a manipulação dos vilaverdenses com mentiras e propaganda.

Nesta lógica a Assembleia Municipal encontra-se há muito sequestrada por membros que se encontram reféns do REGIME e que se entregaram a mandatos vegetativos e coniventes com as agressões aos interesses do Concelho praticadas pelo executivo.

No entanto esta posição do Presidente da Mesa tem pelo menos o mérito de realçar o estado da nossa democracia local. Esta recusa não pode deixar de ser vista como uma posição política que define o REGIME: um regime que prefere a propaganda em vez do debate político e a verdade; um regime que que limita a democracia e as suas instituições; um regime que prefere os casos em detrimento das causas; um regime que promove interesses e agendas dissonantes das necessidades dos vilaverdenses.

Perante esta recusa levantam-se muitas interrogações:

Porque não quer o REGIME ampliar os circuitos de recolha do lixo e realizar campanhas de sensibilização ambiental – conforme previsto no contrato celebrado com a empresa contratada para o efeito?

Porque não quer o REGIME esclarecer o tratamento dado as queixas de violações ambientais praticadas pela empresa que garante a recolha do lixo?

Afinal de que lado está o REGIME? Da empresa que faz a recolha do lixo ou dos Vilaverdenses?

Porque não quer o REGIME analisar o modo como estão a executar a rede de saneamento ?

Porque não nos explicam as razões pelas quais não foi garantida a ligação de saneamento em fogos onde estava projectada e contratada?

Porque não quer o REGIME explicar os atrasos de quase dois anos nas obras das escolas e da adega e o que fez para sancionar os privados por esses atrasos? E que tratamento deu às desconformidades e defeitos apresentados nessas obras?

Porque não quer o REGIME explicar o que anda a fazer no IEMINHO onde acabou de investir 850 mil euros ( mais do que gastou em 4 anos nas freguesias ) para ficar, afinal, tudo na mesma ?

Porque não quer o REGIME explicar quantos muros fez a particulares? Quanto custaram? E porque se fizeram?

A governação de Vila Verde não pode continuar a ser orientada numa lógica de bar aberto para amigos e escondida dos Vilaverdenses como se fosse um ficheiro secreto.

E a Assembleia não pode continuar embalsamada, e escondida dos Vilaverdenses. Precisamos urgentemente de densificar a sua ação política elevando o seu papel de modo a garantir não só uma melhor fiscalização mas também a capacidade de gerar soluções e respostas para os problemas do concelho”.

Comentários

topo