Barcelos

Barcelos. Assistentes sociais vítimas de assédio no Município seguem para tribunal

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Foi em janeiro de 2021 que o caso se tornou público. A denúncia surgiu na edição em papel do Jornal de Barcelos a 20 de janeiro, que falava em situação de humilhação e assédio moral no gabinete de ação social do município de Barcelos.
Segundo o Jornal de Barcelos, é do conhecimento do executivo e da vereadora do pelouro responsável Armandina Saleiro.

Intimidação, humilhação e perseguição profissional

A denúncia, segundo a mesma fonte, parte de uma das profissionais visadas que conta com o apoio de mais dez profissionais da área social do município de Barcelos, depois de anos a aguentarem esta pressão referida, e terem perdido o medo de, publicamente, denunciarem a situação.

Queixa apresentada ao presidente da Câmara sem resposta

Segundo o Jornal de Barcelos foi já apresentada uma queixa ao presidente da Câmara o que originou a abertura de um processo disciplinar à chefe Ana Fernanda Lopes, mas passados quatro meses depois ainda não há uma decisão.

Expressões humilhantes para com as colaboradoras da sua equipa

Citadas pelo Jornal de Barcelos, há expressões que as técnicas elencaram que fazem parte do “dia-a-dia” daquela unidade, alegadamente proferidas pela chefe às colaboradoras: “gorda, mal vestida, sem berço, não sabes nada”
Segundo a mesma fonte há quem fale em “calvário” que a levou a ter de receber tratamento psiquiátrico.

Segundo a fonte citada, a vereadora Armandina Saleiro colabora com esta situação dado que diversas fontes contactadas pelo JB dão conta de que Ana Fernanda Lopes não tem apetência ou capacidade para o cargo. A visada, Ana Lopes, ameaça seguir para instâncias superiores para resolver o caso, conclui o Jornal de Barcelos.

Humilhação e assédio moral nos serviços de ação social do Município de Barcelos

Ana Fernandes Lopes cai e é exonerada

Segundo o jornal de Barcelos Ana Fernandes, 6 meses depois, cai e as assistentes sociais não desistem da ação judicial.

Comentários

topo