Saúde

Covid-19. Bastonário dos Médicos defende testes de antigénio em vez de autotestes

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, afirmou hoje que a utilização de autotestes “não é uma medida adequada” de prevenção e proteção contra a covid-19 e defendeu que os mesmos deveriam ser substituídos por testes de antigénio.

“Os autotestes não têm viabilidade e podem dar falsas sensações de segurança como tem acontecido em várias reuniões familiares e sociais porque os autotestes falham bastante. Não é uma medida adequada”, disse Miguel Guimarães a jornalistas à margem do XIII Congresso Nacional do Mutualismo.

O bastonário da Ordem dos Médicos afirmou que apesar de as medidas anunciadas na quinta-feira pelo governo serem “adequadas”, a utilização dos autotestes “não é ajustada” e defendeu a sua substituição por testes de rápidos de antigénio.

“O teste antigénio rápido já foi legislado pelo Governo, de que havia comparticipação a este teste. É este teste que as pessoas devem usar”, afirmou Miguel Guimarães.

A par do teste rápido de antigénio, o bastonário lembrou ainda que os testes PCR dão garantias de que “a pessoa não está infetada durante algum tempo, cerca de dois a três dias” e lembrou a importância do certificado digital covid-19.

Os restaurantes em concelhos de risco elevado ou muito elevado vão passar a ter de exigir certificado digital ou teste negativo à covid-19 a partir das 19:00 de sexta-feira e aos fins de semana e feriados para refeições no interior.

A medida, aprovada na quinta-feira em Conselho de Ministros, aplica-se apenas às mesas no interior dos restaurantes, segundo referiu a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, que esclareceu que a nova exigência começará a ser aplicada a partir das 15:30 de sábado.

A medida aplica-se apenas ao fornecimento de refeições no interior dos restaurantes, deixando de fora as pastelarias e cafés, assim como as refeições servidas em esplanadas.

São quatro as tipologias de testes aceites pelas autoridades de saúde: os PCR e antigénio com resultado laboratorial (contemplados no certificado digital covid-19) e também os autotestes feitos presencialmente (à entrada do estabelecimento) ou perante um profissional de saúde (nas farmácias, por exemplo).

Para agilizar o acesso aos autotestes, estes vão passar a ser vendidos no retalho alimentar, como supermercados.

Também o acesso a estabelecimentos turísticos e de alojamento local em todo o território continental vai passar a estar sujeito à existência de certificado digital ou teste negativo por parte dos clientes.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.004.996 mortos em todo o mundo, resultantes de mais de 185 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente feito pela agência France-Presse.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.135 pessoas e foram registados 899.295 casos de infeção, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Comentários

topo