Vila Verde

Vila Verde. Mulher morreu carbonizada enquanto bombeiros ‘estavam em festa’

(C) Frame CMTV
Partilhe esta notícia!

Segundo avança a investigação da CMTV, os bombeiros voluntários de Vila Verde demoraram cerca de meia hora a socorrer uma mulher que estava dentro de um carro em chamas por estarem a “cantar os parabéns a um colega”.
Segundo testemunha em declarações à CMTV “isto não pode acontecer, nem em Vila Verde nem em qualquer outro ponto do país”.

Caso de 30 de dezembro em Aboim da Nóbrega

O caso remonta a 30 de dezembro de 2020, tal como noticiou o Semanário V, quando uma mulher morreu carbonizada em Aboim da Nóbrega. A chamada de socorro chegou à central às 15h06 desse mesmo dia, mas a equipa de primeira intervenção tinha ido cantar os parabéns ao adjunto de comando que estava em casa em isolamento profilático, na zona da Lage. Segue-se uma chamada do CDOS de Braga a solicitar a viatura do combate a incêndios mas a telefonista de serviço teve que ligar ao comandante Luís Morais pois naquele momento não se encontrava ninguém no quartel para socorrer a vítima em Aboim da Nóbrega que continuava dentro do veículo em chamas.
Uma das testemunhas da investigação CM, em declarações à CMTV, refere que “apareceram três bombeiros para sair ao socorro mas havia ordem do comandante para ninguém sair enquanto ele não chegasse ao quartel. A mesma testemunha refere que “o comandante deveria dar ordem de saída aos bombeiros que estavam prontos a prestar socorro”.

Luís Morais acompanhou bombeiro ferido no Hospital de Braga (c) DR

A CMTV refere na mesma investigação alguns bombeiros de Vila Verde estão revoltados com as decisões tomadas pelo comandante nessa tarde de 30 de dezembro de 2020, sendo mesmo “desleais” e contra o principio de ser bombeiro voluntário.

Segundo a mesma investigação há bombeiros que falam em “trapalhada total” na hora de tomar a decisão de ir assistir a vítima. Devido à demora do corro, o CODU faz uma segunda chamada para insistir no socorro à vítima e só aí uma ambulância que se encontrava na “festa” arranca para Aboim da Nóbrega para socorrer a vítima dentro do carro em chamas, logo, sem água para conseguir acorrer à vítima, o que fez com que o socorro não avançasse nesse primeiro momento.

Somente às 15h30 saem dois veículos de combate a incêndios, 8 bombeiros incluindo o comandante, para Aboim da Nóbrega onde o carro já se encontrava praticamente destruído pelas chamas e a vítima carbonizada. Durante a viagem o comandante deu informações ao CODU, sem estar no local da ocorrência, somente com as referências dadas pela equipa que se deslocou ao local na ambulância que tinha estado no local. Segundo a investigação CM às 16h35 é pedido um carro para a remoção do cadáver dado não ser possível reverter a situação e a vítima estava carbonizada.

Foto: Paulo Moreira Mesquita

“Caso abafado internamente”

Relatos de bombeiros revelam que não se revêm na decisão de Luís Morais naquela tarde fatídica de 30 de dezembro de 2020 e falam que não terá sido sequer aberto um inquérito interno e ninguém terá sido ouvido, segundo esses relatos à CMTV.

Segundo a mesma fonte os relatórios terão sido forjados e alterados para ‘esconder’ a gravidade do caso e evitar processos crime. Os dados apresentados no relatório da ocorrência, segundo a testemunha, “não correspondem à realidade e são mesmo irrealistas”.

Vila Verde. Mulher morre carbonizada dentro de carro em Aboim da Nóbrega

Luís Morais a ferro e fogo com muitos dos seus operacionais que demonstram a sua indignação neste caso. No mesmo dia, uma ocorrência de doença súbita em Freiriz teve o socorro atrasado devido à “festa” de aniversário onde os operacionais se encontravam.

Comentários

topo