Viana do Castelo

Projeto “Abraço Maior” do IPVC de Viana leva amor a idosos institucionalizados

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Cinco alunos da Licenciatura de Educação Social Gerontológica da Escola Superior de Educação (ESE) do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) candidataram-se ao Transforma Portugal com o projeto “Abraço Maior” e, por estes dias, entregaram camisolas personalizadas a 32 idosos de quatro instituições da região. Feedback “muito positivo” da ideia dos estudantes permitiu alargar o projeto e foram criadas mais 40 camisolas para distribuir por outras instituições.

A ideia do projeto “Abraço Maior” surgiu no âmbito de um trabalho de grupo em seminário de intervenção. “Tínhamos como objetivo procurar intervenções gerontológicas que obedeciam a alguns critérios, nomeadamente a pertinência da intervenção face à pandemia Covid-19. Encontramos uma intervenção que se fazia em casas de cuidados paliativos no Canadá, em forma de projeto delegado, e no meio de muitas conversas e discussões chegamos ao Abraço Maior”, contou Joana Martins, uma das alunas envolvidas no projeto.

A candidatura ao Transforma Portugal foi aprovada e os alunos tiveram “um feedback muito positivo” da plataforma. “Tivemos o máximo de financiamento e conseguimos uma forma de alargar o nosso projeto quatro vezes, sendo dividido por zonas geográficas”, adiantou a estudante, referindo que o projeto acabou por ser financiado em 1580 euros.
O Transforma Portugal tem como missão transformar Portugal através dos cidadãos. Um movimento de solidariedade que junta pessoas que precisam de ajuda a pessoas que desejam ajudar. Para isso, foi desenvolvida a Plataforma Nacional de Voluntariado, que numa primeira fase pretendeu promover e apoiar a iniciativa e a inovação social dos estudantes do ensino superior, através de projetos para proteção da saúde pública, tendo em atenção a prevenção da disseminação do Covid19, bem como de ações solidárias de apoio à comunidade no quadro das consequências do Covid-19 .

“O objetivo deste projeto é reduzir os sentimentos de isolamento, de saudade e de solidão, porque os idosos institucionalizados estiveram muito tempo sem ver as pessoas que mais amam”, justificou a porta-voz do grupo, revelando que “muitas das camisolas têm fotografias e mensagens de familiares”.
As camisolas brancas de mangas compridas, fechadas na parte do pescoço e com luvas, são personalizadas com informações de cada pessoa institucionalizada. “Estabelecemos parcerias com instituições de Viana do Castelo, de Caminha, de Melgaço e de Esposende, que nos deram o número de idosos, informações e até fotografias de família. A partir destas informações tentamos criar abraços maiores personalizados a cada pessoa”, sublinhou ainda a aluna da ESE-IPVC.
Para além dos 32 idosos que foram surpreendidos com as camisolas personalizadas, os estudantes conseguiram criar mais 40 camisolas, com dimensão mais geral, que também vão ser entregues a idosos de outras instituições da região.
De destacar que a Loja Social de Esposende colaborou com o projeto e fez algumas doações.

Comentários

topo