País

Covid-19. Maiores de 80 registam maior número de casos e de mortes desde junho

Partilhe esta notícia!

Os maiores de 80 anos são o grupo etário que regista o mais elevado número de novos casos de covid-19 desde junho, o que se reflete nos internamentos em enfermaria e na mortalidade, segundo o investigador Carlos Antunes.

“O aumento da letalidade e também da gravidade em termos de internamentos está associado sempre ao aumento de casos, daí a necessidade de que deveríamos controlar sempre as vagas” da pandemia, disse hoje à agência Lusa o matemático e professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Carlos Antunes comentava à agência Lusa o relatório de monitorização das “linhas vermelhas” para a covid-19 das autoridades de saúde, segundo o qual a “mortalidade por covid-19 manter-se-á provavelmente elevada nas próximas semanas, dado o aumento de casos de infeção por SARS-CoV-2 acima dos 80 anos”, o único grupo etário “no qual se observa uma tendência crescente da incidência, podendo este crescimento vir a traduzir-se no aumento de internamentos em enfermaria e mortes nas próximas semanas”.

Sobre a mortalidade por covid-19 o relatório precisa também que foram registados “16,4 óbitos em 14 dias por um milhão de habitantes, com tendência crescente e acima do limiar do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC)”.

O investigador adiantou que a informação que detém mostra que os casos de morte em Portugal e o números de contágios nas faixas etárias com cobertura vacinal completa “é compatível com o que se verifica noutros países e está dentro daquilo que era expectável”.

“Não podemos esperar que com a vacina deixemos de ter óbitos e situações de gravidade”, disse, explicando que, apesar de ser em percentagem menor, vai haver sempre contágios.

Carlos Antunes sublinhou que o grupo dos mais de 80 anos tem assistido a uma tendência contrária às restantes faixas etárias em todas as regiões.

“Todos os outros grupos, desde a ocorrência do pico da pandemia a 20 ou 23 de julho, verificam uma diminuição [de casos] e o grupo acima dos 80 manteve uma tendência crescente”, afirmou, considerando que o alerta das autoridades de saúde “faz sentido”.

Comparando com as outras faixas etárias, os idosos com mais de 70 anos são os que representam a “maior ocupação” nas enfermarias, notando-se “um ligeiro aumento” entre o número de internamentos e o número de casos, desde junho.

Até meados de junho, observou-se uma redução de internamentos e de óbitos face ao número de casos, devido à proteção vacinal que reduziu mais o impacto e a gravidade.

“A partir de junho, verificou-se uma ligeira alteração da tendência nestes grupos etários dos 70 aos 79 e mais de 80. Isso são indicadores que conferem a afirmação que é feita no relatório, de que é provável que continue a aumentar o número de óbitos essencialmente acima dos 80”, salientou.

Apesar de ainda estar a analisar as causas que estão a contribuir para esta situação, Carlos Antunes aponta o efeito da gravidade variante Delta, que passou a ter maior prevalência no país a partir de junho e, devido à sua maior transmissibilidade “estar a causar uma maior gravidade e um maior impacto nesta faixa etária”.

Segundo Carlos Antunes, esta variante pode causar mais danos e poderá reduzir um pouco mais a efetividade vacinal.

Sobre se pode estar relacionado com a efetividades da vacina, o investigador considerou ainda ser “muito cedo para se dizer que, com o tempo de vacinação, se reduz a imunidade”.

A covid-19 já matou em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, 17.440 pessoas e foram registados 982.364 casos de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde.

Comentários

topo