Mundo

Um milhão de crianças em risco de desnutrição grave no Afeganistão, alerta UNICEF

(c) LUSA
Partilhe esta notícia!

Um milhão de crianças afegãs está em risco de sofrer desnutrição aguda grave se a situação no país continuar a deteriorar-se, alertou hoje a UNICEF, face à situação do Afeganistão após a vitória dos talibãs.

O alerta da organização surge no âmbito da crítica situação do país, do aumento da violência e do rápido colapso da economia.

“Se a tendência atual continuar, a UNICEF prevê que um milhão de crianças com menos de cinco anos no Afeganistão sofra de desnutrição aguda grave, uma enfermidade potencialmente mortal”, disse em comunicado o diretor regional da organização para o Sul da Ásia, George Laryea-Adjei.

Após sair de Cabul, assegurou que nas últimas semanas, com o aumento dos conflitos e da insegurança no país, as crianças são “quem pagou o preço mais alto”.

“Algumas não só foram obrigadas a abandonar as suas casas e a serem separadas das escolas e amigos, como também se viram privadas dos cuidados médicos básicos que podem salvá-las de doenças como a poliomielite e o tétano”, indicou.

A situação do país foi-se deteriorando rapidamente desde 01 de maio, quando as tropas internacionais iniciaram a etapa final de retirada do Afeganistão, especialmente nos últimos 20 dias, em que a ofensiva dos talibãs se intensificou e os levou a conquistar quase todo o país numa questão de dias.

Com os islamitas no poder desde 15 de agosto, com a tomada de Cabul, o país tem estado imerso no caos e no desespero de dezenas de milhar de pessoas a tentarem fugir, enquanto as forças internacionais prosseguem um processo de evacuação massivo para retirar cidadãos estrangeiros e a maior quantidade de afegãos em risco.

“Com uma crise de segurança, o aumento vertiginoso dos preços dos alimentos, uma seca grave, a propagação da covid-19 e outro inverno duro a aproximar-se, as crianças correm maior risco do que nunca”, sublinhou.

Nos últimos dias, os cidadãos do país sofrem mais do que nunca as consequências da queda do Governo e a instabilidade, com muitos estabelecimentos encerrados, sem acesso a dinheiro e uma boa parte da população em casa com medo de sair ou a tentar abandonar o país.

A crise humanitária do Afeganistão já era grave antes da vitória dos fundamentalistas, após décadas de conflitos e guerra que devastaram o país e deixaram milhões de pessoas afetadas.

De acordo com a UNICEF, “mais de quatro milhões de crianças, incluindo 2,2 milhões de meninas, não estão escolarizados”. Cerca de 300.000 crianças foram obrigadas a abandonar as suas casas, “algumas em pijama enquanto dormiam”, outras enquanto estavam sentadas “em silêncio a estudar”.

“Demasiadas crianças presenciaram cenas que nenhuma criança deveria ver. As crianças e os adolescentes estão a lidar com ansiedade e medo e precisam desesperadamente de ajuda”, precisou Laryea-Adjei, que instou as nações a não cortarem a ajuda humanitária neste momento.

A UNICEF precisa de 192 milhões de dólares para atender à crise. “Pedimos aos doadores para darem um passo em frente e apoiarem as famílias e crianças vulneráveis”, apelou hoje numa mensagem na rede social Twitter.

Comentários

topo