Vila Verde

Vila Verde. CDS, PS e Chega querem debate político entre todos os candidatos

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Começou hoje o denominado período Eleitoral Autárquico. O poder local é da máxima relevância para os cidadãos e as políticas dos Municípios são cada vez mais decisivas para a qualidade de vida de quem nelas vive.

PS pediu debate na comunicação social entre candidatos

O Partido Socialista (PS) de Vila Verde através de comunicado exp’0lica que “É obrigação de todos esclarecer, debater e fundamentar os propósitos dos projetos com que se apresentam, sem medos ou receios das questões e do respetivo escrutínio. Nesse sentido, lançamos o desafio da realização de um debate publico, em canal aberto, sem filtros, promovido e conduzido por um ou pela totalidade dos órgãos de comunicação de Vila Verde, que permita aos Vilaverdenses conhecer não apenas as propostas, mas também e essencialmente os candidatos e a sua capacidade técnica para o cargo ao qual se candidatam.
Deixamos aqui o desafio. Fazer Melhor, Fazer Diferente, para nós não é apenas um slogan, é uma forma de ser e estar, um compromisso”.

Chega afirma-se disponível para o debate

O Chega Vila Verde afirma-se disponível e preparado para o debate entre os candidatos à Câmara Municipal de Vila Verde. Ao Semanário V o Chega avança que “vê com bons olhos este debate. Queremos ouvir a Júlia Fernandes (PSD) a mostrar o seu plano de promessas já feitas por António Vilela há 4 anos. Nada muda e queremos que os vilaverdenses saibam que somos uma alternativa com ideias para fazer crescer Vila Verde.

CDS quer debate de “ideias e não politiquices”

Paulo Gomes, candidato do CDS à Assembleia Municipal de Vila Verde afirmou ao Semanário V que “o CDS está aberto ao debate de ideias e não de politiquice. Só vemos pontos positivos neste debate caso seja feito por alguém imparcial, moderador ‘sem partido’, e transmitido em vários canais dos diferentes partidos em tempo real, sem cortes ou omissões”.

Júlia Fernades (PSD) e os restantes candidatos do BE e CDU ainda não se expressaram sobre o assunto.

Comentários

topo