País

PJ detém três suspeitos de raptarem criança para forçar casamento com menor

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Cinco pessoas suspeitas de terem raptado em Leiria uma criança de 13 anos para forçar o seu casamento com um menor da mesma idade foram detidas pela Polícia Judiciária (PJ), anunciou hoje esta organização policial.

Em comunicado, a PJ refere que na madrugada de terça-feira desencadeou uma operação visando a localização e detenção de cinco suspeitos dos crimes de rapto, tentativa de homicídio e tentativa de abuso sexual de criança, e danos com arma de fogo, nas cidades de Leiria e Marinha Grande.

Uma sexta pessoa foi localizada e identificada como estando envolvida na consumação destes crimes, lê-se no comunicado.

Segundo a PJ, os factos ocorreram num fim de semana deste mês, “como reação ao facto de familiares de uma menina, de 13 anos de idade, não aceitarem o casamento dela com um rapaz da mesma idade”.

“Para tanto, reagiram a tiro contra o pai da menor, provocando danos com arma de fogo em diversos bens, nomeadamente numa casa de habitação e numa viatura”, lê-se no comunicado.

De acordo com a PJ, os suspeitos, “usando grande violência”, terão raptado a menor, “no intuito de a constrangerem a casar com o rapaz e a manter relacionamento sexual, acabando a vítima por ser libertada, no dia seguinte, pelos presumíveis raptores”.

Os detidos, três homens e duas mulheres, com idades entre os 26 e 51 anos, não têm ocupação laboral conhecida. Todos têm antecedentes policiais e alguns antecedentes criminais na área do roubo e tráfico de droga, disse à agência Lusa fonte da PJ.

A mesma fonte acrescentou que os cinco detidos, residentes na zona da Marinha Grande, vão ser presentes hoje a um juiz de instrução criminal, para eventual aplicação de outras medidas de coação.

A operação foi desencadeada pelo Departamento de Investigação Criminal de Leiria e Diretoria do Centro da Polícia Judiciária em cumprimento de mandados emitidos pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Leiria.

Com Agência LUSA

Comentários

topo