Vila Verde

Vitória ‘estrondosa’ do PSD em Vila Verde elege cinco vereadores

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

O PSD venceu as eleições autárquicas no concelho de Vila Verde, sendo eleita Júlia Fernandes como presidente da Câmara com 53,77% dos votos, conseguindo cinco vereadores.

Júlia Fernandes (PSD) vence eleições com ‘estrondo’ em Vila Verde

O PS ficou em segundo, com 20,27%, elegendo apenas um vereador, perdendo dois em relação a 2017. Destaque para o Chega, que elege um vereador com 11,88%. Seguiram-se CDS (3,71%), CDU (2,65%) e BE (2,09%).

António Esquível (PS) escolhido em derrota pré-anunciada

António Esquível foi o nome escolhido pelo PS de Vila Verde para encabeçar a lista do Partido Socialista à Câmara de Vila Verde mas a sua candidatura mostrou-se sem folgo, quase entregue a uma derrota pré-anunciada e isso refletiu-se nos resultados das últimas eleições autárquicas 2021 em Vila Verde.

O PS perdeu mais de 50% do eleitorado atingindo mínimos históricos em freguesias como Soutelo e Cabanelas, que estariam a ser ‘controladas’ por Filipe Silva e António Esquível mas a estratégia não teve frutos, denotando-se nos resultados alcançados pelo Partido Socialista com a eleição de apenas um vereador, perdendo dois vereadores e vendo o Chega crescer de forma estrondosa em Vila Verde.

Polémica dentro do PS partiu eleitorado Socialista

Martinho Gonçalves, ex-deputado na Assembleia República e ex-líder da bancada do Partido Socialista na Assembleia Municipal de Vila Verde, veio a público em fevereiro deste ano, através da rede social facebook, expressar a sua “posição sobre a situação em que se encontra[va] o PS de Vila Verde.” Teceu duras críticas aqueles que são capazes “de trair os seus camaradas vila-verdenses, para agradar aos mandantes da destruição do PS de Vila Verde.” Rematava: “Na política não pode valer tudo.”

O candidato socialista à Câmara de Vila Verde, António Esquível Gomes, utilizou a mesma rede social facebook para usar as mesmas palavras: “Na política como na vida, não pode valer tudo!” Foi a forma de responder à provocação lançada pelo candidato do Chega à mesma autarquia, Fernando Feitor, que disse hoje que “o candidato do PS está caladinho, não faz oposição, não diz nada porque se consta por todo o concelho que foi escolhido a dedo para se juntar ao PSD caso venha a ser necessário.” Adiantou ainda que “A quadrilha [PSD da ala Fernandista] está montada e o tapete vermelho, que pelo PS foi estendido, espera por eles.”

Comentários

topo