País

Catequese, peregrinações, procissões, festas e romarias voltam hoje a realizar-se

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) emitiu hoje novas orientações através de um documento intitulado “Liberdade responsável no Culto e nas atividades pastorais”.

A CEP continua a apelar a um comportamento responsável, mas expressa o desejo de uma “maior participação dos fiéis, abrandando de forma ponderada os distanciamentos e os limites impostos à lotação” das igrejas.

Apesar de permanecerem medidas de proteção como a higienização das mãos e uso de máscara, “os sacerdotes e demais ministros poderão retirar a máscara para a proclamação da Palavra, desde que haja uma distância suficiente das pessoas colocadas diante deles”, de forma a facilitarem a perceção auditiva.

No entanto, no momento da Comunhão sacramental, em que os comungantes têm de retirar a máscara, o ministro deve utilizá-la.

“O diálogo com cada fiel «Corpo de Cristo. Amen» – de significado transcendente para a fé católica – deverá ser retomado. A Comunhão deve continuar a ser ministrada apenas na mão dos fiéis”, referem as orientações.

Já a recolha da Coleta, “poderá realizar-se no momento do ofertório, observando-se as devidas normas de segurança e de saúde”. As pias de água benta junto às entradas da igreja continuarão vazias. Quanto à saudação da paz, “que é facultativa, continua suspensa”.

No que diz respeito a outros “Sacramentos, Sacramentais e Exéquias cristãs, deverão retomar-se as prescrições dos livros litúrgicos”.

No Sacramento da Penitência, deverá ser garantida “suficiente distância” entre o confessor e o penitente e ambos devem usar máscara, “mas sem comprometer quer o diálogo sacramental quer o seu sigilo”.

A CEP afirma ainda que deve ser realizada a visita aos doentes e distribuída a Comunhão. Nas unções, deve ser evitado o contacto corporal direto, recorrendo-se ao uso de compressas de algodão que, posteriormente, serão incineradas.

“Antes e depois dos ritos que comportem algum contacto físico com pessoas ou objetos, os ministros devem proceder à higienização das mãos. Nos velórios, a prática da aspersão supõe a mesma cautela. Se não for possível garantir esse procedimento, é preferível retirar a caldeirinha e usá-la apenas no Rito da Encomendação”, pode ler-se.

As atividades pastorais como a catequese e outras ações formativas, reuniões, ajuntamentos, iniciativas culturais e de restauração, entre outras, bem como peregrinações, procissões, festas, romarias, concentrações religiosas, acampamentos e outras atividades similares em espaços como as paróquias, centros pastorais, casas de retiro, etc., devem seguir as regras previstas pelas autoridades competentes para situações educativas, sociais e culturais semelhantes.

Todas as orientações entram em vigor hoje, 1 de outubro.

Comentários

topo