Barcelos

Porque escolheram o IPCA em Barcelos? Colocados com melhores notas explicam

Partilhe esta notícia!

Foram 617 os estudantes que se candidataram em 1ª opção na 1ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) aos cursos de licenciatura do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA).
Esta preferência representa um índice de satisfação da procura dos cursos do IPCA de 87%.
Simultaneamente, as melhores notas dos candidatos colocados em cada uma das escolas do IPCA são superiores a 180.
Sofia Monteiro, residente em Santo Tirso, onde estudava na Escola Secundária Tomaz Pelayo, optou pela Licenciatura em Design Gráfico e não teve dúvidas no momento de escolher. “A Escola Superior de Design do IPCA era a única que tinha exatamente o curso que eu queria”, diz.
No seu caso, foi também optar, concorrer e vencer… Entrou com uma nota de 186,4, a mais alta entre os colocados da Escola Superior de Design e a mais alta do IPCA, que diz ainda não ter tido oportunidade de visitar. “Li e vi algumas coisas sobre o IPCA no Inspiring Future, mas sei que é uma boa escola”, onde espera vir a ser bem acolhida, diz.
Sobre o futuro, Sofia Monteiro, de 18 anos, confessa que, “embora goste muito da área da ilustração”, está atualmente “mais virada para o design de marketing e a publicidade”.
Rita Costa tem 17 anos, reside em Joane (Famalicão), e com uma média de 184,1 foi não só a candidata com a nota mais alta dos colocados no curso de Solicitadoria, como também entre todos os novos estudantes da Escola Superior de Gestão do IPCA.
Esta foi a sua primeira opção quando se inscreveu no CNA e a razão é simples: “No fundo, porque sabia que era uma aposta ganha. Tenho familiares a frequentar mestrados no IPCA, em Pós-Laboral, e eles deram-me muito boas referências”.
A mudança da Escola Secundária Padre Benjamim Salgado, em Joane, para a Escola Superior de Gestão do IPCA, em Barcelos, não é algo que a assuste. “Aproveitei o domingo passado para visitar o IPCA e fui logo muito bem recebida pelo presidente da Associação Académica, que por acaso também é aluno de Solicitadoria. Ele fez-me a visita guiada e pude ver que as instalações são muito boas, assim como o ambiente entre colegas. Aliás, já fiquei com contactos de estudantes doutras áreas”, revela Rita Costa. As expectativas são, por isso, “muito elevadas”.
Sobre o facto de ter a melhor nota de entrada na sua nova escola, confessa ter ficado “muito contente por ver um instituto politécnico com notas tão elevadas”. E justifica: “é preciso acabar com um certo estigma que existe em relação ao ensino superior politécnico”.
Também de Famalicão, mas da freguesia de Vale São Cosme, Andreia Couto entrou na licenciatura em Gestão de Atividades Turísticas com uma nota de 182. A maior de todas entre os colocados na Escola Superior Hotelaria e Turismo do IPCA.
Com 18 anos, esta ex-aluna da Escola Secundária Camilo Castelo Branco seguiu o conselho de amigos e decidiu candidatar-se ao IPCA. “Eles recomendaram-me o curso, não só pela qualidade do ensino, mas também por causa da possibilidade de fazer estágio. Além disso, todos me disseram que os professores são sempre muito atenciosos”, explica. Andreia Couto lembra que, “desde criança, sempre quis seguir algo ligado ao Turismo”. No futuro está a ver-se a “gerir uma quinta turística ou uma agência”, mas confessa que “ainda é cedo para tomar decisões”.
Na Escola Superior de Tecnologia, Duarte Mendonça entrou na Licenciatura de Engenharia em Desenvolvimento de Jogos Digitais com uma nota de 175,5, a segunda melhor entre os colocados na Escola Superior de Tecnologia do IPCA.
Residente na Maia, onde frequentava a Escola Secundária de Águas Santas, este jovem de 18 anos descobriu o gosto pela programação no 12º ano, graças à disciplina de Aplicações Informáticas B.
O projeto final, recorda, “foi o desenvolvimento de um jogo parecido com o Jogo da Forca” e esse desafio fê-lo interessar-se pela área dos jogos digitais. Além disso, confessa, gosta muito de jogar videojogos, pelo que poderá aliar o útil ao agradável.
“A escolha do IPCA teve a ver com o curso de Engenharia em Desenvolvimento de Jogos Digitais, que me interessou e, além disso, é fora do comum”, explica.
Concorreram ao IPCA, através do Concurso Nacional de Acesso 3500 estudantes para 709 vagas.
Para a 2ª fase do CNA, serão disponibilizadas 83 vagas. Podem concorrer à 2ª fase do CNA os candidatos à 1.ª fase não colocados, os que foram colocados, mas pretendam concorrer de novo (sendo anulada a respetiva matrícula e inscrição da 1ª fase), os que foram colocados e não procederam à matrícula e inscrição e todos os que não concorreram à 1ª fase e reúnam as condições necessárias de candidatura. A 2ª fase decorre até dia 8 de outubro.

Comentários

topo