Vila Verde

Cerveja Letra de Vila Verde marca presença no ‘Oktober Festa’ em Lisboa

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Após um ano de interregno, Marvila e, agora também, Cabo Ruivo recebem a quarta edição da Oktober Festa a 16 e 17 de outubro. A versão lisboeta da festa da cerveja alemã une bebida, música, feijoada de choco e uma parte da história da cidade.

A Oktober Festa, projeto desenvolvido pelo Lisbon Beer Department que une três empresas cervejeiras (Dois Corvos, Lince e Musa) em ambos os dias entre as 13h00 e as 2h00, com mais de 50 variedades de cerveja on tap.

A 16 de outubro, a festa arranca ao sabor de uma feijoada de choco e, no dia 17, ao sabor de uma cachupa, ambos os pratos regados com muita cerveja, não só das cervejeiras organizadoras, mas também das convidadas. Destaque para a cerveja fruto da colaboração entre a Dois Corvos, a Lince, a Musa, a Bolina e a Oitava Colina, uma witbier com aroma fresco a coentros e banana. Cerveja leve (5,5%), mas com um sabor intenso e final prolongado.

Os DJ sets de David e Miguel, Progressivu, Luís Severo, Hélio Morais, Mike El Nite, Rapaz Ego, Hipster Pimba, Jetro Tuga e Filipe Karlson (horários a anunciar em breve no Instagram do Lisbon Beer Department) também vão ajudar à digestão.

Na 4ª edição da Oktober Festa, o Lisbon Beer Department convidou outras cervejeiras para ajudarem à festa: a Dois Corvos convidou a HopSin (cervejeira de Colares, de Sérgio Pardal, que começou a dar nas vistas com as cervejas Mag8 e Seteais); a Musa convidou a Cierzo Brewing (cervejeira de Saragoça, uma das grandes promessas da cerveja espanhola que o prémio de melhor nova cervejeira no Barcelona Beer Fest de 2020 veio confirmar); a Lince convidou Os Piratas Cervejeiros (a partir da Queluz, “os piratas” têm surpreendido com cerveja artesanal fora da caixa); a Oitava Colina convidou a Laugar (cervejeira basca que tem apostado fortemente na qualidade do produto e na constante evolução das receitas); e a Bolina convidou a Cerveja Letra (projecto minhoto de Filipe Macieira e Francisco Pereira), a Letra de Vila Verde.

Comentários

topo