Mundo

Holanda regressa a confinamento parcial por três semanas devido à Covid-19

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

Numa conferência de imprensa em Haia, Rutte classificou a nova série de medidas de combate à pandemia de covid-19 como “um grande golpe de algumas semanas, porque o vírus está por todo o lado, em todo o país, em todos os setores e atingindo todas as faixas etárias”.

Manifestantes protestaram em Haia no momento em que foram anunciadas as medidas, que entram em vigor no sábado e durarão pelo menos três semanas.

“Felizmente, a grande maioria [da população] está vacinada, senão a aflição nos hospitais seria incalculável neste momento”, declarou Rutte.

Os bares, os restaurantes e os estabelecimentos de bens essenciais, como os supermercados, deverão encerrar às 20:00 (19:00 em Lisboa) e as lojas não-essenciais, às 18:00 (17:00 em Lisboa).

Os cidadãos neerlandeses são instados a não receber mais de quatro pessoas em casa e a adotarem o teletrabalho, “exceto se tal não for realmente possível”, indicou o chefe do executivo.

Os protestos públicos serão suspensos e as partidas de futebol decorrerão à porta fechada, incluindo o jogo de qualificação para Campeonato do Mundo, que oporá a Holanda à Noruega na próxima semana.

As escolas mantêm-se, todavia, abertas e as saídas do domicílio são autorizadas.

As medidas foram descritas pelo Governo como um “confinamento parcial” antes da conferência de imprensa, segundo a comunicação social local.

O Governo prepara-se igualmente para restringir o acesso aos espaços de restauração e lazer após o período de três semanas apenas a pessoas vacinadas ou recuperadas de covid-19 e àquelas que apresentem um teste negativo recente.

As novas restrições são politicamente sensíveis, tendo-se milhares de pessoas manifestado em Haia no domingo após o anúncio pelo Governo da reimposição das máscaras em alguns espaços públicos.

Na quinta-feira, os Países Baixos anunciaram 16.364 novos casos de covid-19 registados nas últimas 24 horas, batendo assim o anterior recorde de 12.997 casos, ocorrido em dezembro de 2020.

Com Agência LUSA

Comentários

topo