País

Católicos devem ser “pessoas que agem” na promoção do bem

(C) LUSA
Partilhe esta notícia!

Na homilia da missa dominical na Basílica da Santíssima Trindade, no Santuário Fátima, no dia em que a Igreja assinala o V Dia Mundial dos Pobres, Carlos Cabecinhas afirmou que a pandemia, os conflitos, as “alterações climáticas que põem em causa o futuro das gerações vindouras, as desigualdades e as catástrofes, os milhões de refugiados e migrantes, os milhões de pobres que vivem sem o mínimo de subsistência ou condições de dignidade ou os abusos e a falta de união dentro da Igreja” são “sinais de Deus” que “provocam” e “exigem uma ação concreta dos cristãos”.

“Em vez de nos lamentarmos sobre o estado do mundo somos convidados a fazer o bem”, afirmou Carlos Cabecinhas, citado na página do Santuário de Fátima na Internet, confrontando os peregrinos presentes na celebração: “Como podemos fazer? Podemos melhorar alguma coisa, façamos isso. Podemos melhorar alguma coisa à nossa volta, façamos isso. Não nos refugiemos na desculpa de que está tudo mal. Se fizermos alguma coisa no sentido do bem o mundo já ficou melhor”.

“Façamos o pouco que está ao nosso alcance em vez de usarmos isso como desculpa para a nossa inação”, acrescentou, exortando: “Procuremos discernir no tempo que nos foi dado a viver como dom o que podemos fazer de bem”.

Este domingo, em todas as celebrações do programa oficial do Santuário os peregrinos são convidados a lembrar os pobres.

A Igreja celebra hoje em todo o mundo o V Dia Mundial dos Pobres com um alerta especial do Papa Francisco para as consequências sociais e económicas da pandemia e o pedido de uma nova abordagem na luta contra a pobreza.
“A pandemia continua a bater à porta de milhões de pessoas e, mesmo quando não traz consigo o sofrimento e a morte, é portadora de pobreza. Os pobres têm aumentado desmesuradamente e o mesmo, infelizmente, continuará a verificar-se ainda nos próximos meses”, escreveu Francisco no texto da mensagem que tem como tema “Sempre tereis pobres entre vós”, inspirado numa passagem do Evangelho segundo São Marcos.

Segundo a informação disponibilizada pelo Santuário de Fátima, a mensagem deixa alertas para o interior da Igreja Católica, destacando que os pobres não são pessoas “externas” à comunidade, mas “irmãos e irmãs cujo sofrimento se partilha, para abrandar o seu mal e a marginalização, a fim de lhes ser devolvida a dignidade perdida e garantida a necessária inclusão social”.

Comentários

topo