Região

Investimento de 141 mil euros renova sinalética em 85 km de ecovias do Alto Minho

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

A Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho investiu 141.337 euros em nova sinalética informativa e interpretativa nos mais de 85 quilómetros das redes de ecovias da região, para valorização dos rios Lima e Vez, foi hoje divulgado.

Em comunicado, a CIM do Alto Minho, com sede em Ponte de Lima, adiantou que aquele investimento, iniciado em 2017 e concluído em abril, foi realizado ao abrigo do projeto de cooperação transfronteiriça CTC II — Comunidade Territorial de Cooperação Lima-Límia-Cávado.

A CIM do Alto Minho, que agrega os concelhos de Viana do Castelo, Caminha, Vila Nova de Cerveira, Paredes de Coura, Valença, Monção, Melgaço, Arcos de Valdevez, Ponte da Barca e Ponte de Lima, justifica a divulgação, este mês, da iniciativa por se tratar de uma época de “baixa sazonalidade turística”, enquanto em abril o país encontra-se em desconfinamento devido à pandemia de covid-19.

As ecovias dos rios Lima e Vez possuem nova sinalética nos seus percursos, com informação relevante sobre o território para utilizadores e turistas.

“A colocação de sinalização informativa permite que o utilizador conheça a sua localização exata, além de possibilitar a compreensão da rede de percursos pedonais e clicáveis no seu todo (por eixo) e identificar elementos de interesse nos diversos trajetos no contexto transfronteiriço e da sua ligação com a reserva Mundial da Biosfera Gerês-Xurés”, sustenta a CIM do Alto Minho.

A “rede de percursos pedonais e clicáveis associada aos eixos de valorização dos rios Lima e Vez desenvolve-se, com diferentes proporções, nos concelhos de Arcos de Valdevez, Ponte da Barca, Ponte de Lima e Viana do Castelo, num total de 85,66 quilómetros de extensão”.

Na margem esquerda do rio Lima, “entre Deão, no concelho de Viana do Castelo, e Oleiros, no concelho de Barcelos, distrito de Braga, apresenta 30,34 quilómetros de extensão”.

Já “na margem direita do rio Lima e do rio Vez, entre as freguesias de Fontão e Sistelo, incluindo o segmento de Ermelo, tem 55,32 quilómetros de extensão”.

A rede “está também interligada com os restantes eixos de valorização do litoral e do rio Minho, no sentido de promover os percursos cicláveis do Alto Minho de forma conjunta”.

O projeto CTC Limia-Lima-Cávado, cofinanciado pelo EP – INTERREG V A Espanha-Portugal (POCTEP), foi desenvolvido pelas CIM do Alto Minho e do Cávado [engloba os concelhos de Amares, Braga, Barcelos, Esposende, Terras de Bouro e Vila Verde].

A projeto contou com o apoio do INORDE – Instituto Orensano de Desarrollo Económico, “com o propósito de promover o desenvolvimento integrado deste espaço transfronteiriço, com características geográficas e problemas comuns, mas também com fortes potencialidades e oportunidades ao nível do turismo de natureza e dos desportos náuticos”.

O projeto incluiu também “o trabalho de levantamento das ecovias e de toda a informação relevante sobre turismo de natureza, a qual foi agregada e disponibilizada através da produção e publicação de um guia digital que integra a oferta ecoturística deste território”.

O projeto CTC_LIMA_LIMIA_CÁVADO foi iniciado em 2015, num investimento global 532.467,80 euros, financiado em 75% pelo INTERREG V A, sendo que o beneficiário principal foi a CIM do Cávado e parceiros a CIM do Alto Minho e a Província de Ourense, na Galiza.

Comentários

topo