Barcelos

Coordenador mundial do projeto Demola esteve no IPCA para falar de co-criação

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

O coordenador mundial do projeto Demola, Ville Kaimara, esteve no Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA), em Barcelos, na “Face-to-Face Company Roundup Session” em torno desta metodologia de inovação pedagógica, de origem finlandesa.

A ação realizou-se no âmbito da 2ª edição da Capacitação em Co-Criação, visando a dinamização das equipas multidisciplinares destinadas a dar resposta a um conjunto de desafios lançados por empresas.

Esta 2ª edição conta com a participação de docentes do IPCA e de 60 estudantes, divididos em 10 projetos que envolvem uma dezena de empresas e que deverão ser desenvolvidos ao longo de 10 semanas.

O principal objetivo do programa é criar uma cultura e práticas cooperativas que permitam a interação e o intercâmbio de conhecimentos entre entidades externas e a academia, promovendo o desenvolvimento de novas ideias, a identificação de necessidades e de projetos de investigação.

Simultaneamente, de uma perspetiva educacional, visa melhorar as práticas de ensino, designadamente através da importação de conteúdos relevantes e da criação de uma base para o desenvolvimento das identidades profissionais e empregabilidade dos estudantes.

Segundo António Moreira, pró-presidente do IPCA, “nesta segunda edição da Capacitação em Co-Criação, as equipas multidisciplinares estão a trabalhar em desafios que vão desde a área tecnológica, à hotelaria, ao domínio do social e ao design”.

“Este processo estimula a pesquisa e, sobretudo, a iniciativa de colaboração entre pessoas de áreas completamente distintas”, explicou António Moreira, acrescentando que “o primeiro passo é, por isso, precisamente, os estudantes aprenderem a colaborar com áreas a que não estão, de todo, habituados”.

Acima de tudo, adiantou o pró-presidente do IPCA, “a metodologia aqui aplicada fomenta a diversidade, a curiosidade e a abertura à disrupção, sem medo de cometer erros, pois errar faz parte da aprendizagem”.

Por outro lado, António Moreira lembrou os estudantes presentes nesta ação que eles são “os futuros clientes das empresas com que estão agora a colaborar, pelo que podem ajudar a definir como e quais vão ser os produtos, as iniciativas e as ações do futuro destas entidades”.

“Co-criação é, essencialmente, a junção do melhor de três entidades: as instituições de ensino superior, as empresas e o facilitador, que é alguém que, neste projeto, está aqui para vos ajudar”, explicou, dirigindo-se aos estudantes na edição deste ano.

Comentários

topo