Braga

PAN Braga quer mais investimento no Rio Este em 2022

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

A concelhia do PAN, Pessoas-Animais-Natureza, representada pelo deputado municipal, Tiago Teixeira, defendeu um maior investimento na proteção dos rios do concelho, no âmbito do orçamento municipal e plano de grandes opções 2022-25.

No seguimento do que já tinha sido enunciado durante a campanha autárquica, o deputado recém-eleito propôs ao executivo o redirecionamento faseado das condutas do rio Este, a começar já em 2022.

Segundo Tiago Teixeira: “Continuamos sem resposta em relação à percentagem do cadastro de redes pluviais que já está concluída, no entanto, os investimentos devem começar o mais rapidamente possível nas condutas que já estão identificadas”, acrescentando que “O executivo tem dito que a intervenção no rio Este terá um custo elevado e por isso ainda não começou. No entanto, o redirecionamento das condutas para os esgotos não precisa de ser realizado todo de uma vez. O executivo deverá orçamentar uma verba anual e executar as obras por fases”.

Para além disto, o PAN propôs ainda a criação de uma equipa de Guarda-Rios, “responsável pela monitorização e proteção dos rios do concelho, nomeadamente o rio Este, Torto e Cávado”. Segundo a autarquia, esta medida irá avançar na forma de brigada ambiental.

Ainda para combater a poluição dos rios, o PAN quer a publicação anual de um relatório com informação relativa ao número de descargas identificadas, número de autos levantados, evolução da qualidade da água e da biodiversidade.

Estas são três das prioridades do partido ambientalista para 2022, acreditando o deputado municipal que “A poluição dos rios é um dos maiores problemas ambientais no concelho e não tem sido alvo das prioridades políticas dos sucessivos executivos. Isto não se coaduna com a emergência climática que vivemos onde a proteção do nosso património natural é cada vez mais importante”.

O deputado termina afirmando que “O protocolo recentemente assinado entre a autarquia e a Agência Portuguesa do Ambiente para recuperação dos rios é um bom princípio, mas precisamos de uma calendarização concreta das atividades e objetivos”.

Comentários

topo