Vila Verde

Câmara de Vila Verde promoveu festa ‘sem regras’ de três dias em plena pandemia

(c) Redes sociais
Partilhe esta notícia!

A festa (re)anima Vila Verde promovida pelo Município de Vila Verde juntou centenas na tenda de espetáculos em frente à Biblioteca Municipal de Vila Verde com Piruka como cabeça de cartaz.

Numa altura em que o Governo apertou as restrições para conter a pandemia eram centenas sem máscara e sem distanciamento que assistiram aos concertos desde a passada sexta-feira que se prolongaram até domingo.

O pior exemplo para o país. ‘Festa’ (re)anima Vila Verde sem regras

“Vila Verde vai de vento em popa e pelo bom caminho, festas de arromba sem testes de covid e tudo ao molho e fé em Deus, uma cambada de irresponsáveis sem controlo nenhum a começar pelos autarcas desta vila. Organização de festas sem pensar nos seus moradores até altas horas da madrugada e sem pensar em quem vai trabalhar no dia seguinte. Onde anda a GNR desta vila nestes dias? Carros em cima das passadeiras, motas em cima dos passeios mas não se passa nada quem quiser que contorne”, é desta forma que um morador de Vila Verde descreve a festa que decorreu em Vila Verde durante três dias no centro, com uma tenda montada junto à biblioteca municipal de Vila Verde.

Segundo relatos aos Semanário V a música estave alta durante a madrugada, zaragatas e “porrada” com a intervenção da GNR e sem controlo de entradas máscaras ou distanciamento.

“Uma pouca vergonha para a imagem da Câmara Municipal desta vila e para quem os representa”, conclui o morador revoltado.

Até ao momento a Câmara Municipal de Vila Verde não se pronunciou acerca da festa que foi alvo de duras críticas.

Após críticas ao (re)anima Vila Verde, Esquível (PS) mostra-se contra festival

Comentários

topo