Vila Verde

Orçamento. António Esquível (PS) “absteve-se porque tem a boneca insuflável”

Partilhe esta notícia!

Foi aprovado esta segunda-feira (29), pelo executivo municipal de Vila Verde, a proposta de Grandes Opções do Plano e Orçamento para os anos 2022 a 2026. Foi aprovado por maioria, com a abstenção do Partido Socialista (António Esquível) e voto contra do Partido Chega (Fernando ‘Feitor’ Silva).

Para Fernando Silva (Chega) – conhecido por Feitor –  a principal razão pelo voto contra é pelo facto de que “as promessas são sempre as mesmas e de longos anos – saneamento e melhores acessos – mas não se vê obra feita.”

Júlia Fernandes, edil, fixou o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) no mínimo legalmente permitido: 0,3%. O documento previsional do Município terá um orçamento de cerca de 40 milhões de euros para 2022.

O que falta resolver? “Transportes públicos, indústria e natalidade”

Em declarações ao Semanário V, o vereador do Chega diz ainda que a Câmara Municipal “deveria intervir nas paragens de autocarro, recuando-as da via, para o trânsito fluir melhor.” Além disso, diz Feitor, a autarquia deveria “obrigar as empresas de transporte de passageiros a divulgar os horários e itinerários nas paragens de autocarros. Não tem indicação nenhuma, logo não há qualquer incentivo às pessoas para usarem transportes públicos.”

Fernando Silva reclama ainda a necessidade de criação de um polo industrial no norte do concelho, em Ribeira do Neiva de forma a atrair mais investimento a uma zona “esquecida” pelos sucessivos executivos sociais-democratas.

Para Feitor, o orçamento é ainda pouco ambicioso no que respeita ao “incentivo à natalidade: estamos a ficar despovoados.”

“António Esquível absteve-se pelos favores da bonequinha

2021 © Semanário V

“Esquível abstém-se porque tem a ‘boneca insuflável’ no parque infantil disponibilizada pela mulher dele à Câmara. São os favores da ‘bonequinha'”, diz Feitor ao Semanário V.

O vereador do Chega refere-se à boneca “Namoradeira” instalada no parque infantil de Vila Verde, que se enquadra na obra de Requalificação do Centro Urbano de Vila Verde. Obra esta, orçada em quase 300 mil euros (c/IVA) a cargo da empresa Play Planet. O contrato foi assinado com o Município de Vila Verde a 11 de janeiro deste ano, e as obras deveria ter sido terminadas num prazo máximo de 150 dias, que que acabou por não acontecer.

De onde vem a boneca?

A boneca que Feitor fala é uma das namoradeiras de Portugal. Confuso? Nós explicamos. As ‘Namoradeiras’ são as bonecas do projeto vila-verdense, impulsionado por Júlia Fernandes, Namorar Portugal. O lançamento desta linha criativa teve lugar em 2014 na loja de turismo de Vila Verde, cuja autoria é de Ana Gomes – filha de António Esquível –  e de Amélia Gomes – esposa do mesmo. Ambas detêm a marca “Pó de Arroz” detentora da linha de bonecas Namorar Portugal.

Inicialmente promovida na página de facebook associada (pelo nome) à empresa de António Esquível – O Ferrolho, com o nome “O Ferrolho Pó de Arroz”, encontra-se agora noutra página de facebook com o nome de “Bonecas Namorar Portugal”.

2021 © Semanário V

Comentários

topo