Vila Verde

Sindicato de professores denuncia reuniões presenciais na Secundária de Vila Verde

(c) Direitos reservados
Partilhe esta notícia!

“Como é público, apesar dos benefícios da vacinação para a saúde pública, não é responsável “facilitar”, tendo em consideração a evolução da pandemia nos últimos tempos e as novas estirpes do vírus que estão a alertar a
comunidade científica”, escreve o S.TO.P. – Sindicato de Todos os Professores em comunicado ao Semanário V.

O mesmo comunicado indica que a maioria das escolas estão a realizar responsavelmente apenas reuniões online, mas há alertas (com provas) que há escolas (de várias zonas do país) estão a convocar muitos Profissionais de Educação (docentes e não docentes) para reuniões presenciais:

– Escola Básica 2,3 de Eiriz (Paços de Ferreira);
– Escola Secundária de Vendas Novas (Vendas Novas);
– Agrupamento de Escolas do Búzio (Vale de Cambra);
– Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo (Moita);
– Agrupamento de Escolas Frei Heitor Pinto (Covilhã);
– Agrupamento de Escolas de Silves (Silves);
– Agrupamento de Escolas de Almeida (Guarda);
– Agrupamento de Escolas Figueira Norte (Figueira da Foz);
– Escola Secundária do Pinhal Novo (Palmela);
– Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho (Maia);
– Agrupamento de Escolas de Mira (Mira);
– Agrupamento de Escolas S. Teotónio (Odemira);
– Escola Secundária de Vila Verde (Vila Verde);
– Escola Básica Dr. Alberto Iria (Olhão).

“Não se compreende que o mesmo Ministério da Educação que altera o calendário escolar para todo o país (público e privado) invocando precisamente razões de saúde pública, depois não seja consequente, permitindo que sejam as direções escolares a decidir se as reuniões, por exemplo de avaliação do 1.º período, serão presenciais ou online”, escreve o sindicato no mesmo comunicado.

O S.TO.P. mais uma vez alertou todas as entidades competentes sobre estas situações que colocam em perigo a saúde pública* (Ministério da Educação, Ministério da Saúde, Direção-Geral da Saúde, etc).
“Se nada for feito para pressionar as respetivas direções escolares, poderemos ter a situação surreal de escolas com reuniões presenciais, ao mesmo tempo que outras escolas ao lado com o mesmo tipo de reuniões online. E como sabemos, nessas reuniões participam muitos profissionais de educação (docente e não docentes) e em particular na véspera de encontros familiares do Natal (há reuniões de avaliação até dia 23 de dezembro)”, conclui o sindicato referido.

Comentários

topo