País

Fenprof quer que docentes e funcionários sejam vacinados nas férias de natal

(C) LUSA
Partilhe esta notícia!

Em declarações à Lusa, o secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof), Mário Nogueira, escusou-se a analisar os impactos da decisão do Governo em antecipar numa semana o encerramento das creches e ATL para tentar controlar a pandemia de covid-19, defendendo que essa avaliação cabe aos especialistas.

“Não sabemos se este encerrar de uma semana será suficiente”, disse Mário Nogueira, admitindo que é preciso “tudo fazer” para que as escolas não voltem a fechar portas, tendo em conta os “conhecidos prejuízos do ensino remoto” que se sentiram nos dois últimos anos letivos.

A Fenprof voltou hoje a defender que os professores e o pessoal não docente “devem voltar a ser considerados grupos prioritários no processo de vacinação” da dose de reforço contra a covid-19. E esse é um processo que deve acontecer durante esta época do Natal.

“Os professores deveriam ser chamados agora a ser vacinados com a dose de reforço até à abertura” das escolas, a 10 de janeiro, defendeu, acrescentando que durante as férias de Natal os docentes e pessoal não docente podem ser vacinados “em qualquer dia, não precisa de ser ao sábado nem ao domingo”.

Mário Nogueira lembrou que nas escolas trabalha um “corpo docente envelhecido, vacinado há mais de cinco meses, que é o tempo útil que se está a dar à vacina” e por isso está na altura de serem novamente vacinados contra a covid-19.

O professor considerou também “indispensável” a testagem regular e periódica nas escolas e não apenas quando surgem novos casos: “Independentemente da análise sobre se as escolas devem ou não abrir, tudo deve ser feito para que abram no dia em que se prevê”.

O secretário-geral da Fenprof acredita que “protegendo os adultos provavelmente também será possível proteger as escolas e mantê-las abertas”.

Mário Nogueira recordou ainda a decisão da Fenprof de avançar com uma ação judicial contra o Ministério da Educação para ter acesso aos dados que mostram o impacto da pandemia nas escolas.

“A Fenprof está a recorrer novamente aos tribunais para intimar o Ministério da Educação, que se recusa a fornecer dados”, disse, acrescentando que “se calhar este ano a situação ainda está pior” do que no passado ano letivo.

Quais as escolas e jardins-de-infância onde já foram identificados casos de covid-19 este ano letivo, quantas turmas ficaram em isolamento entre os dias 16 e 30 de novembro e quantos docentes, alunos e trabalhadores não docentes tiveram de ficar em isolamento ou quarentena são algumas das perguntas feitas a 02 de dezembro ao ministério e que continuam sem resposta.

A Federação Nacional dos Professores recordou que passaram os 10 dias úteis previstos na lei para o envio das informações pretendidas, “sem que houvesse resposta do ministro” e por isso decidiu “recorrer à via judicial para as obter”.

Na terça-feira o primeiro-ministro anunciou a decisão de antecipar para dia 25 de dezembro o encerramento de creches e ateliês de tempos livres (ATL), que estava previsto para a “semana de contenção” que irá decorrer entre 3 e 9 de janeiro, altura em que os alunos de todos níveis de ensino estarão em casa. As aulas começam apenas a 10 de janeiro, como forma de tentar conter o aumento de casos de covid-19.

Comentários

topo